Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Maria Cristina Castilho: Vai, adolescente…

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE | 13/06/2019 | 07:30

Vai, adolescente… Mas aonde? O mundo convida mocinhas a tratar as formas do corpo e, em seguida, chegar a Paris. E os mocinhos a conquistar fama e poder, que lhe possibilitarão brincar com os corpos que “comprarem”. E a família aonde vai?
A música “Vai malandra” torna-se hino de pertencimento a um grupo: “Desce, rebola gostoso/ Empina me olhando/ Te pego de jeito…”

O jornal “Folha de São Paulo”, no mês passado, promoveu o 3º Seminário de Exploração Sexual Infantil, que contou com palestra da ativista antipornografia Gail Dines, professora emérita de sociologia e de estudos de mulheres no Wheelock College, em Boston. É autora de “Pornland: como a pornografia invadiu a nossa sexualidade”.

Dines comentou que há crianças, de 7 a 12 anos, diagnosticadas com compulsão por pornografia e que a internet se tornou a maior fonte de educação sexual para meninos, na qual encontrarão brutalidade. Segundo ela, a forma, como a pornografia molda a cultura, torna-se aceitável que mulheres e crianças vendam seus corpos e dessensibiliza homens para com a dor sofrida por elas. “Capas de revistas, notícias e filmes que tendem a hipersexualizar o corpo e a postura feminina demonstram como a cultura é moldada para essa indústria”, em sua opinião, e que as mulheres se tornam divididas socialmente entre “invisíveis” e “fuckables (algo como comíveis). Enfatizou, ainda, que não é possível viver numa cultura pornográfica sem ser impactada, citando o funk brasileiro.

Vai, adolescente… Mas aonde? Naquele local ermo de seu bairro. O menino a esperará. Sua chance de estar com ele. Horas depois de “tudo consumado” – às vezes com a violência que ele presenciou em pornografia -, todos já sabem que se tornou “rodada” e ele se afasta. A menina não sentiu bem-estar algum e fica pensando no que faltou para conseguir segurá-lo? Autoflagela-se com o propósito de que a dor física supere a emocional.

A socióloga elogiou a legislação do Reino Unido que passará a exigir a verificação de idade – com cadastro antecipado – aos usuários de sites de pornografia. É o primeiro projeto de lei, no mundo, contra a indústria pornográfica.
Importante que as famílias e as escolas tenham consciência sobre o efeito funesto do acesso à pornografia por crianças e adolescentes e que o vício em pornografia evolui para conteúdo mais violento.

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE é professora e cronista


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/maria-cristina-castilho-vai-adolescente/

Notícias relacionadas


Desenvolvido por CIJUN