Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Messias de Castro: A revolução das startups

MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO | 13/02/2019 | 07:30

É impressionante a revolução do mundo em relação à ciência e tecnologia e, mais precisamente, acerca da utilização intensiva dos algoritmos, como destaque da inteligência artificial.
O mundo dos negócios vem de forma crescente se ancorando, no presente e para o futuro nas startups, que se multiplicam exponencialmente em todas as áreas das ciências exatas, sociais e biológicas.
A quarta Revolução Industrial, da indústria 4.0; da robotização, ainda em fase de disseminação e assimilação, já começa a dar lugar à quinta Revolução Industrial. A realidade do longo prazo de maturação, viabilização e retorno de um investimento empresarial, que em muitos casos, passa por gerações ou diversos investidores e gestores, quando comparada ao crescimento vertiginoso e valorização de startups, deixa em aberto um estado latente de perplexidade e reflexões acerca do longo tempo dispendido de dedicação, trabalho e os resultados obtidos.
Não se pode discutir acerca da importância do avanço da inovação tecnológica dessas empresas, que já são globais e conectadas com a juventude mundial.
Como reflexão, é possível detectar, entretanto, que nem sempre o ponto central das startups se sustenta na eficiência e utilidade, como deveriam ser consideradas, mas também, no “fato novo”, no “modismo” e, até mesmo no “desconhecido”, quando o “valor subjetivo” se torna “mais valia”.
A realidade presente sempre terá uma correlação com o passado. Com o avanço tecnológico não é diferente, vejamos: A Segunda Revolução Industrial, capitaneada pela Alemanha no século XIX, caracterizou-se pela criação de departamentos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em empresas que mais tarde se tornariam grandes multinacionais: Bosch, Siemens, Bayer, dentre outras. Essas empresas já inovavam antes mesmo da constituição do Estado alemão como hoje conhecemos.
No Brasil, entretanto, os contratempos econômicos do século XX levaram as empresas brasileiras a outro rumo. A compreensão da importância da Ciência Tecnológica e Inovação apenas se consolidou institucionalmente com a criação do Ministério da Ciência e Tecnologia em 1985. Porém, somente em 2011 incorporou-se a palavra “Inovação” à essa pasta, isto é, o Estado brasileiro percebeu muito tarde que Ciência, Tecnologia e Inovação caminham de mãos dadas.
Felizmente despertamos e estamos inseridos nessa evolução da inteligência artificial e da robotização. Como particular exemplo, temos a nossa querida Jundiaí, em que a inovação e aceleração tecnológica se fazem fortemente presentes na gestão pública e na iniciativa privada.

MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO é professor da Unianchieta e autor do livro “O Gerenciamento da Vida Pessoal, Profissional e Empresarial” – Ed. M. Books – SP e Gestor de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Jundiaí.
E-mail: messiasmercadante@terra.com.br

MESSIAS MERCADANTE


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/messias-de-castro-a-revolucao-das-startups/
Desenvolvido por CIJUN