Opinião

Na medida certa


Com a obrigação de seguir as recomendações das autoridades de saúde no período de quarentena, em prevenção ao novo coronavírus, o prefeito Luiz Fernando Machado coloca Jundiaí no cenário nacional ao ser uma das primeiras cidades a iniciar a reabertura gradual da sua economia. Um pronunciamento que, em matéria de esperança e, ao mesmo tempo, de determinação, estimula o nosso comércio para enfrentar as dificuldades já tão conhecidas por conta da pandemia. A despeito de sua maior preocupação, no início da propagação do mal entre seus cidadãos, nota-se agora a franqueza e a sinceridade dos seus propósitos ao respeito no trato dos recursos comuns a todos jundiaienses. A partir deste ato, o prefeito municipal assumiu plenamente suas funções que, por um capricho do destino do mal, que assola a economia mundial, foi o de decidir pela retomada do desenvolvimento econômico. Uma escolha intimamente ligada aos fatos, que se pagará com a dívida a ser deixada pelo coronavírus, esta muito mais preocupante que a social, a da calamidade do desemprego. Os caminhos da sua efetividade exigem a participação de todos os envolvidos. O comércio, a indústria, os autônomos, ambulantes e a população de modo geral. Devem seguir ao cumprimento de todas as regras sanitárias anunciadas, para que o êxito da medida seja alcançado. Como afirmado, vivemos hoje um momento histórico e decisivo. De nossa capacidade de compreender a crise do presente em todas as dimensões, e não apenas as mais superficiais. Para que as medidas do presente não sejam em vão, devemos saber ler o manual de nossa responsabilidade civil. Senhores empresários e comerciantes: muito do sucesso que obtiveram na vida foi graça a seus empregados. Assim neste norte, estimulem o que há de positivo em seu pessoal. Espere o máximo deles e diga isso claramente. Coloque em níveis elevados os padrões de desempenho e faça-os se orgulharem disso. Não demitam. Cada jundiaiense deve assumir o plano como responsabilidade pessoal. Mais que uma decisão, mais do que palavras ou domínio insondável das intenções, a prova maior desta disposição municipal deve ser buscada na atitude do senhor prefeito que, durante esta atual divergência de interpretação quanto ao isolamento social e a retomada da economia, concilia a harmonia das duas situações. Longe de traduzir intransigência ou incompreensão, sua firmeza em assumir a decisão nasce da convicção de que o episódio envolve algo de mais profundo e fundamental: que a vida deve seguir. Senhoras e senhores, caros leitores: O bom comandante não escolhe o mar em que navega, mas de seus desafios busca estar à altura. As águas revoltas não devem intimidar, mas fazer redobrar a atenção e a firmeza para se assegurar que se chegue ao porto desejado. GUARACI ALVARENGA é advogado.

Notícias relevantes: