Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Não há tempo a perder

JOSÉ RENATO NALINI | 11/11/2018 | 07:00

A ONU não desiste. Mesmo ante os ouvidos moucos dos líderes mundiais, que continuam a explorar a natureza de forma cruel e insensata, alerta para a urgência de drásticas mudanças no comportamento humano, sob pena de aceleração das tragédias ambientais.

Petteri Taalas, Secretário-Geral da Organização Meteorológica Mundial, está preocupado com a elevação de dois graus centígrados da temperatura da Terra. A mudança climática é evidente e impacta ecossistemas e seres humanos em todo o planeta.

Para David Boyd, Relator Especial da ONU para direitos humanos e meio ambiente, a mudança climática já está tendo e terá ainda mais graves efeitos devastadores nos direitos humanos, inclusive a vida, saúde, alimentação, moradia e, principalmente, água.

Com o aumento de dois graus centígrados, o verão não tem mais gelo na Antártida. Isso acaba com os ursos polares e com as baleias. Escasseia a produção de alimentos, aumentam os incêndios florestais e acelera-se o extermínio de recifes de corais.

O próprio Secretário-Geral da ONU, o português António Guterres, se comunica no Twitter para dizer que não é impossível limitar o aquecimento global. Mas isso exige ação coletiva e sem precedentes em todas as áreas. É dele a advertência: “Não há tempo a perder!”.

Não é achismo, nem catastrofismo ecológico. É um relatório calcado em mais de seis mil estudos sobre o tema e o primeiro encomendado por líderes mundiais após o acordo de Paris, do qual os Estados Unidos já roeram a corda.

A preservação do atual índice de aquecimento, aumentará em dez vezes a probabilidade de verões sem gelo no ártico, eliminando, além dos ursos polares e as baleias, as focas e todas as aves marinhas daquela área.

Cerca de quase 40% da população mundial ficará exposta a fenômenos de calor extremo, ao menos uma vez a cada cinco anos. Mais de 411 milhões de pessoas sofrerão com a falta d’água. Desaparecerão da face da Terra dezoito por cento dos insetos, dezesseis por cento dos vegetais e oito por cento dos vertebrados. Também desaparecerão os recifes de corais e de 32 milhões a 80 milhões de pessoas estarão expostas a inundações.

Mesmo assim, as pessoas não se comovem. E você? É parte da solução ou é parte do problema?

JOSÉ RENATO NALINI é reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e autor de “Ética Geral e Profissional”, 13ª ed. – RT-Thomson

JOSÉ RENATO NALINI

JOSÉ RENATO NALINI

 

 


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/nao-ha-tempo-a-perder/
Desenvolvido por CIJUN