Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Pastor Oraci: a despedida de um justo

SILAS FEITOSA | 17/08/2019 | 07:30

No dia 4 de agosto morreu, aos 71 anos, um dos homens mais dignos que já conheci: pastor Oraci do Amaral. Num país que se acostumou a tratar as pessoas pela posição social que elas ocupam, geralmente, obtidos pelo destaque no mundo da política, no universo artístico e na esfera financeira, eu ainda costumo usar um outro meio para medir a grandeza de um homem: o amor ao próximo. Neste sentido, o querido pastor Oraci pode ser considerado como um dos homens realmente grandes desta cidade.

Mas, eu diria que ele foi ainda maior naquela dimensão que só Deus pode medir: na fidelidade ao sentido da existência, a missão do ser humano sobre a Terra. Homem dedicado a mais nobre das missões, a de levar a mais bela mensagem de esperança aos corações aflitos das pessoas, o querido pastor Oraci consumiu sua vida a anunciar as boas novas do evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo. Isso possibilitou o maior dos milagres, a decisão de milhares de indivíduos, que abatidos pelos dramas da vida, puderam encontrar refúgio para suas almas cansadas em Jesus, depois de ouvirem o pastor Oraci. Sem dúvida, Oraci do Amaral deu a esse mundo a contribuição mais formidável que um ser humano pode dar. No seu velório, a tristeza dos presentes se misturava ao orgulho da experiência de ter convivido com ele. Os testemunhos davam provas de que o pastor Oraci não perdeu-se nos sentimentos de viver uma vida fútil e absurda. Dedicou-se intensamente a viver a sua fé, a sua vocação e a esperança de encontrar-se com a razão maior da sua vida, Jesus Cristo.

Da minha parte, nos encontros que tive com ele, o que ficará registrado em minha memória é o sorriso largo com o qual ele se dirigia a mim, mais acolhedor que um abraço. A simplicidade de sua presença amorosa, exprimia sem a necessidade de dizer uma só palavra, que o amor é o derradeiro e mais alto objetivo a que um homem pode aspirar. A maneira que encontrei de homenageá-lo foi a de incorporar em mim alguns dos traços que compuseram o seu caráter. Aristóteles dizia que as virtudes se aprendem praticando, e é imitando as virtudes de homens como o pastor Oraci que podemos nos tornar pessoas melhores. São Paulo, Apóstolo, dizia: sede meus imitadores, assim como eu sou de Cristo. O pastor Oraci nos deixou grandes exemplos de conduta, correção e firmeza de caráter. Com isso, ele conquistou a vida eterna e deixou o seu exemplo para inspirar pessoas melhores. De qualquer modo, nossa existência em Jundiaí ficou mais triste, pois Deus resolveu levar para si um dos seus melhores filhos.

SILAS FEITOSA é sociólogo e gestor público.


Leia mais sobre |
SILAS FEITOSA
Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/pastor-oraci-a-despedida-de-um-justo/
Desenvolvido por CIJUN