Polícia

Justiça decreta prisão do homem que matou a ex-companheira em Jarinu

O acusado, foi indiciado por homicídio qualificado, por não possibilitar defesa à vítima


Divulgação
Margarete não teve possibilidade de se defender
Crédito: Divulgação

A Justiça acatou representação do delegado de Jarinu, Elias Ribeiro Evangelista Júnior, e expediu mandado de prisão temporária contra Gerci da Silva, acusado de matar com duas facadas, sua ex-companheira Margarete Teresa Magrini, de 56 anos, durante uma festa de aniversário em uma chácara em Jarinu, no dia 30 de agosto. O acusado, foi indiciado por homicídio qualificado, por não possibilitar defesa à vítima, com extensão para feminicídio, agora é oficialmente considerado procurado.

De acordo com o delegado, no dia do crime, ao levar uma caixa de cerveja para o evento, Gersi jogou a caixa contra a vítima, que ficou chateada com a situação, mas não esboçou reação. Já na área interna da casa, ele a matou enquanto ela colocava a cerveja na geladeira. “Ela ergueu os braços com a caixa, pesada, para colocar no freezer da geladeira. Com os braços levantados, sem esperar a agressão e sem possibilidade de se defender, ela foi goleada pelas costas”, disse o delegado, que completou. “A forma como ele fez isso foi uma traição, uma covardia, sem ela poder se defender, motivos pelos quais o indiciei por homicídio qualificado”.

A faca usada no crime, que a princípio não havia sido localizada, acabou sendo encontrada no lixo, na casa da mulher que havia alugado o local para o evento, e que era amiga da vítima. “Mas a faca foi levada junto com o lixo por engano”, comentou Evangelista.

Margarete era funcionária pública em Jundiaí, onde trabalhava em um centro esportivo.


Notícias relevantes: