Polícia

Contratado há 11 dias, conferente é preso ao tentar passar por detector com iphone

O homem tentou furtar um Iphone de um centro de distribuição de uma loja, em Louveira


Foto ilustrativa
Ele envolveu o celular em grande quantidade de fita isolante para tentar passar pelo detector
Crédito: Foto ilustrativa

Um homem de 32 anos, conferente em um centro de distribuição de uma loja de departamentos, em Louveira, foi detido por seguranças e posteriormente preso em flagrante pela Polícia Civil, por tentativa de furto, após tentar deixar o local com um aparelho iphone envolto com fita isolante e preso à cintura. O caso aconteceu no final da noite desta segunda-feira (14).

Por volta das 22 horas o indiciado, que havia sido contratado há apenas 11 dias, foi barrado por seguranças após o sistema de detector de metais, da porta de saída e entrada da empresa, apitar quando ele passava pelo local. O responsável pelo departamento de segurança, que é terceirizada, foi chamado. Questionado, o funcionário retirou dos bolsos um estilete, que é usado como material de trabalho e colocou sobre a mesa.

Feita nova tentativa de passar pelo detector, o aparelho apitou novamente. Nesse momento ele alegou que tinha uma placa de platina implantada na cintura, mas informou que não havia um laudo comprobatório, o que levantou ainda mais suspeitas nos agentes de segurança. Eles então decidiram submetê-lo ao aparelho de detector de metais, manual, sendo que foi notado algo anormal na região da cintura, momento em que o conferente começou a ficar nervoso.

O supervisor geral de segurança também foi acionado e, na sua presença, o até então suspeito se dispôs a abaixar as calças, se virando de costas para os seguranças. Foi então que eles notaram algo sobressalente presa à cintura e pediram que ele retirasse. Havia com ele um aparelho celular iphone, avaliado em mais de R$ 3 mil, envolto com fita isolante.

Policiais militares rodoviários foram acionados e o conduziram ao Plantão Policial, onde ele confessou o crime, alegando estar passando necessidades e que tentou praticar o furto a pedido de outra pessoa, que lhe pagaria R$ 100 pelo aparelho ao lado de fora da empresa. No DP ele também demonstrou arrependimento do que fez.

A delegada Renata Yumi Ono decretou sua prisão em flagrante com base nos indícios de materialidade e arbitrou fiança de R$ 2 mil, valor que não havia sido pago até o término da elaboração do Boletim de Ocorrência, sendo ele então encaminhado ao Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista e ficando à disposição da Justiça.


Notícias relevantes: