Polícia

Adolescente é detido pela 11ª vez e reacende discussão

MENORES NO CRIME O GM Mattos, de Várzea Paulista, desabafou ao apreender outra vez um garoto que ele já detém há dois anos


DIVULGAÇÃO
O GM Mattos (centro) desabafou sobre a situação corriqueira
Crédito: DIVULGAÇÃO

Em duas ocorrências de tráfico de drogas, no mesmo local, na rua Borda da Mata, na Vila Real, em Várzea Paulista, guardas municipais da Ronda Ostensiva Municipal (Romu) apreenderam nesta semana, três adolescentes, sendo dois de 16 anos e um de 17. As detenções, contudo, não trouxeram sensação de dever cumprido aos guardas, revoltados e cansados por flagrarem os mesmos jovens por inúmeras vezes na traficância.

Um deles, de 17 anos, já foi detido mais de 10 vezes. Situação que deixou o GM Mattos inconformado. "Tem dois anos que eu pego ele nessa vida errada, no mesmo local. Nesses dois anos já são 11 detenções", disse o guarda.

O garoto teria sido apreendido apenas uma vez. "De todas essas detenções ele havia sido apreendido na Fundação Casa apenas uma vez e, nesta oportunidade, partiu para cima e agrediu um funcionário da instituição. Logo depois saiu e voltou a traficar entorpecentes".

Após ser apreendido nesta semana, pelos guardas Mattos, Frederico e Marcel, o jovem foi levado para a Fundação Casa, onde vai aguardar pronunciamento da Justiça.

Um dia antes, os agentes Batista, Franco, Renato e Joelton flagraram e detiveram os dois mais jovens com várias porções de drogas. De acordo com Mattos, um deles também já tem ficha criminal de causar inveja a muito criminoso adulto. "Ele, infelizmente, é outro garoto que já apreendemos por muitas vezes. Eu venho o pegando em flagrante desde quando ele tinha seus 12 anos", lamentou.

Este rapaz de 16 anos, segundo Mattos, foi inclusive, recentemente, apreendido em uma operação da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil de São Paulo, o que mostra o caminho obscuro o qual ele tem escolhido para sua vida. "Essas situações nos deixa indignados, mas sabemos que faz parte porque a Justiça é branda. Você apreende hoje e, amanhã, ele está na rua. E isso funciona também com maiores. Muitas vezes eles saem primeiro da delegacia do que a gente. Ele vai embora e nós ainda permanecemos lá para assuntos administrativos".

Maioridade penal

Toda vez que um adolescente é apreendido por qualquer crime que tenha cometido, o caso traz a tona uma velha discussão: a redução ou não da maioridade penal. A experiência na vida policial e, consequentemente as inúmeras apreensões de jovens já envolvidos com o crime, formaram a opinião de Mattos. "Esses adolescentes são homens, muitos deles maiores que a gente fisicamente e, quando você chega a um ponto de tráfico, eles correm em sua direção e passam por cima, como cavalo. Muitos já são pais e cometem crimes graves. Entendo que é necessária a redução da maioridade penal, uma vez que eles sabem muito bem o que fazem", disse ele.

 


Notícias relevantes: