Polícia

GMs prendem envolvido em morte de empresário em Jundiaí

O homem preso nesta tarde, na Vila Marlene, era o condutor da moto usada no dia do crime


Divulgação
GMs do Apoio Tático chegam com o preso para apresentá-lo no DP
Crédito: Divulgação

Guardas municipais do Apoio Tático prenderam na tarde desta quinta-feira (19), um dos homens que participaram de um latrocínio ocorrido em Jundiaí no dia 2 de março deste ano, em que um empresário foi morto a tiros ao chegar com seu carro no estacionamento de sua empresa, na região do Jardim Guanabara. O homem preso nesta tarde, na Vila Marlene, era o condutor da moto usada no dia do crime, e estava com mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça por meio do Ministério Público (MP). Os tiros foram efetuados por seu comparsa.

Assim como o parceiro, que efetuou os disparos que mataram o empresário, o homem capturado nesta tarde já havia sido preso pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) há alguns meses e ficou encarcerado por 60 dias durante prisão temporária. Após isso ele foi solto.

Como foi prisão

Depois de concluir a parte da investigação com relação ao evolvimento do condutor da moto, a DIG apresentou a denuncia ao MP, que pediu sua preventiva, cumprida nesta tarde pelos guardas Gaspareto, Marassato, Volpiani é Relvy. “Nós obtivemos a informação de que ele estava na casa da mãe dele e fomos averiguar. Foi então que o prendemos”, disse o guarda Relvy.

Um dos policiais civis do caso comentou à reportagem sobre esta prisão. "Para nós, hoje, a prisão dele já não tem peso de investigação. O que ele tinha para contribuir já foi feito, durante o tempo em que esteve preso temporariamente e prestou esclarecimentos", disse. "Mas vale, sim, como resposta à sociedade, já que ele agora vai permanecer preso até seu julgamento".

Ele foi conduzido ao Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista para posteriormente ser encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Jundiaí.

Sobre o autor dos tiros, que estava na garupa da moto e que também foi preso há alguns meses, o policial disse que não pode fornecer mais detalhes, já que que o caso não está encerrado.


Notícias relevantes: