Polícia

Proprietária de imóvel foi quem matou idosa de 67 anos

O crime ocorreu dia 13 de janeiro e nesta quinta-feira (04) a DIG conseguiu solucionar e encontrar a responsável


Tânia Rêgo/Agência Brasil
A investigação foi dos agentes do 3º Distrito Policial de Jundiaí
Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí solucionou o caso de uma idosa de 67 anos que foi morta em sua residência, em Cabreúva, no dia 13 de janeiro. Ela foi encontrada pelos filhos embaixo da cama. Na ocasião dinheiro foi sacado de sua conta bancária. De acordo com a Polícia Civil, o homicídio foi cometido pela proprietária do imóvel onde ela morava, uma mulher de 34 anos.

A indiciada foi presa temporariamente por homicídio e ocultação de cadáver, já que ela tentou esconder a idosa embaixo da cama antes de sair do local. A investigação foi realizada pela equipe Apolo IV da DIG, sob o comando da delegada Camila D. Pina.

A vítima foi golpeada e morta em sua própria casaque ficava nos fundos da casa da acusada. Segundo a investigação, o desentendimento foi originado quando a proprietária do imóvel foi reclamar da presença do namorado da vítima, que estaria morando no local.

Elas discutiram e a detida golpeou a idosa na cabeça. O golpe foi suficiente para matá-la. Para tentar esconder o crime, a autoraescondeu o corpo embaixo de uma cama e se evadiu do local.

A mulher de 34 anos foi conduzida até a sede da Delegacia de Investigações Gerais de Jundiaí onde confessou o delito e foi indiciada pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte). Ela foi encaminhada à Cadeia Pública de Itupeva.

 

O CASO

Uma idosa de 67 anos foi encontrada morta embaixo da cama, na casa onde morava com o companheiro, em Cabreúva, na noite de quarta-feira (13). De acordo com a Guarda Municipal, uma sacola de plástico foi encontrada na boca da mulher, que também apresentava lesões pelo corpo. Sua bolsa e celular foram levados e R$ 1 mil sacados de sua conta bancária.

O companheiro da vítima, também idoso, de 62 anos, estava no sofá aparentemente drogado. Os filhos relataram para a Polícia Civil, que a mãe estava desaparecida desde as 11h e receberam uma mensagem suspeita, supostamente enviada pelo celular dela. No relato, o filho conta que a mensagem estava escrita de forma diferente do que a mãe costuma escrever.

A bolsa e o celular da idosa não estavam no local quando a Guarda Municipal chegou. Ao verificar o extrato da conta da mãe, o filho percebeu um saque no valor de R$ 1 mil, realizado poucas horas antes.


Notícias relevantes: