Polícia

Policiais militares de Jundiaí são condenados por corrupção

JUSTIÇA MILITAR Eles foram acusados de corrupção passiva e associação ao tráfico de drogas. Ainda cabe recurso à sentença


DIVULGAÇÃO
Os dois policiais foram condenados e, embora ainda caiba recurso, devem cumprir a pena no presídio militar
Crédito: DIVULGAÇÃO

A Justiça Militar condenou nesta segunda-feira (1), os policiais militares José Vinicius Peres Maffa e Alex dos Santos Silva a 33 anos, 7 meses e 29 dias de prisão por associação ao tráfico de drogas e corrupção passiva, em Jundiaí, além de envolvimento com uma facção criminosa que age dentro e fora das prisões. A condenação cabe recurso, mas um deles segue preso no presídio Militar Romão Gomes.

Em dezembro, outros três policiais militares, também denunciados na mesma ocasião, foram inocentados pela Justiça Militar. A denúncia foi enviada anonimamente para a Corregedoria da Polícia Militar informando sobre o envolvimento dos policiais da Força Tática do 49º BPM/I com traficantes da região de Jundiaí.

A acusação era de que os PMs receberiam dinheiro para não realizarem prisões e facilitar a venda de drogas, com pagamentos mensais efetuados, supostamente, por um dos chefes do tráfico do Jardim São Camilo. O mesmo traficante é réu em um processo sobre a morte de um policial militar em 2006, quando houve uma série de ataques à polícia atribuídos ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

A sentença do julgamento realizado pelo Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo, realizada na última segunda-feira (1), ainda cita que entorpecentes apreendidos eram revendidos a outros traficantes. Em 4 de junho de 2019, os policiais teriam apreendidos 10 quilos de drogas e recebido R$ 50 mil em revenda. Parte da investigação foi feita por meio de escutas telefônicas e o depoimento de testemunhas.

Interrogados várias vezes, acabaram por confessar os crimes. Os dois foram condenados por associação ao tráfico e corrupção passiva. (Com informações do G1 e do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo).


Notícias relevantes: