Polícia

Homem é condenado a 7 anos por tentativa de feminicídio

MARIA DA PENHA O agressor tentou atropelar a ex em 2018. Esse fim de semana mais quatro casos de violência foram registrados


DIVULGAÇÃO
Em 2018, a GM de Jundiaí registrou a ocorrência do ex-companheiro que tentou atropelar sua esposa
Crédito: DIVULGAÇÃO

Um homem foi condenado a sete anos de prisão por tentativa de feminicídio. O crime ocorreu em 5 de novembro de 2018, quando ele tentou atropelar sua ex-esposa em um posto de combustíveis na Colônia. Com a pandemia, os casos de violência doméstica aumentaram. Em dois finais de semana 15 casos registrados, sendo quatro neste último.

No contexto da pandemia de covid-19, os atendimentos da Polícia Militar a mulheres vítimas de violência aumentaram 44,9% no estado de São Paulo. De acordo com relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o total de socorros prestados passou de 6.775 para 9.817, na comparação entre março de 2019 e março de 2020. A quantidade de feminicídios também subiu no estado, de 13 para 19 casos (46,2%).

CONDENAÇÃO

Sete jurados participaram do julgamento do homem condenado por feminicídio. Ele e seus advogados tentaram recorrer alegando que houve tentativa de lesão corporal e não de feminicídio.

No entanto, de acordo com a lei é considerado feminicídio ou tentativa de feminicídio quando a mulher é vítima de agressão por ser mulher. No caso, ele não tentou atropelá-la por uma discussão, mas sim por ter se separado dele.

Na época o condenado tinha 45 anos e a vítima 54. Tudo começou com ele seguindo o veículo da ex-companheira e batendo o carro dele contra o dela. Ao chegar no posto de gasolina, como seu carro estava avariado, ela desceu para tentar fugir, quando ele tentou atropelá-la.

O homem esteve preso preventivamente por dois anos até o julgamento e deverá cumprir ainda mais dois anos em regime fechado para poder progredir ao regime semi-aberto.

VIOLÊNCIA

Neste fim de semana, só em Jundiaí, foram registrados quatro boletins de ocorrência de violência doméstica, de acordo com a Lei Maria da Penha. Em todos os casos, além de agressão física ou verbal, as vítimas também foram ameaçadas.

Um homem de 39 anos foi preso em flagrante após agredir e ameaçar a companheira de 32 anos no domingo (7). Ele chegou a pegar uma faca para tentar ferí-la, mas não chegou a cumprir a ameaça.

A briga começou quando o indiciado não conseguiu comprar um remédio na drogaria. Por causa disso ele ficou nervoso e desferiu um tapa no rosto da mulher. Já em casa, ele começou a dar socos na parede e na mesa e terminou pegando a faca, mas desistiu e foi tomar banho.

Foi nesse momento que ela acionou a Polícia Militar. Na delegacia ele foi indiciado e preso em flagrante.

Outra mulher, de 53 anos, denunciou o ex-companheiro por ameaça. Segundo ela, os dois já estão separados, mas ele se recusa a sair de sua casa. No domingo ela pediu mais uma vez que ele fosse embora, mas o agressor pegou uma barra de ferro para ameaçá-la. O caso será investigado.

Um rapaz de 25 anos também não aceitou bem o final do relacionamento e agrediu a ex-namorada de 19 anos com um golpe de capacete na cabeça quando pediu para reatar e ela recusou.

Já na noite do dia 6, uma mulher de 33 anos foi agredida ao não permitir que o companheiro olhasse seu celular. Ele deu um soco em seu olho e quebrou o aparelho, fugindo em seguida. A violência ocorreu em frente aos filhos do casal.


Notícias relevantes: