Polícia

DISE prende homem que produzia RGs para traficantes lavarem dinheiro

A Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (DISE) de Jundiaí descobriu um esquema de confecção de cédulas de identidade para lavagem de dinheiro de traficantes de droga


DIVULGAÇÃO
abre
Crédito: DIVULGAÇÃO

A Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (DISE) de Jundiaí descobriu um esquema de confecção de cédulas de identidade para lavagem de dinheiro de traficantes de drogas. O suspeito foi preso preventivamente na cidade de Hortolândia. Em sua residência foram apreendidos RGs falsos já prontos, milhares de chips de celulares e outros materiais usados para ajudar facções criminosas.

De acordo com o delegado Marcel Fehr, responsável pela DISE, a investigação apontou que o indiciado era responsável por produzir os RGs para que criminosos pudessem abrir contas bancárias, com o intuito de lavar dinheiro originado no tráfico de entorpecentes.

Em diligências da Polícia Civil ao apartamento no suspeito, foram localizados seis cédulas de identidade já prontas, além de dois notebooks com material destinado a essa confecção. Havia uma caixa de papelão contendo uma “caixa de luz” artesanal, acoplada a uma impressora, que emitia os documentos.

Milhares de chips de celulares estavam no imóvel e eram utilizados para cadastramento das contas sem a necessidade de ir fisicamente às agências bancárias. Cartões de algumas contas também foram apreendidos.

No cofre foi encontrada a quantia de R$ 65 mil. O detido possuía uma pistola 9mm, mas devidamente documentada, sendo apreendida por motivo de cautela. O veículo dele, uma BMW de cor branca, ano 2014, foi recolhida ao pátio conveniado da Polícia Civil.

Autuado em flagrante por falsificação de documento público, confessou a autoria, informando cobrar R$ 100 para cada kit produzido, mas negou ter envolvimento com o tráfico. A prisão foi convertida pelo Judiciário em preventiva e ele foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória de Hortolândia.

Um exame superficial dos notebooks apontou que tal fraude também era utilizada para obtenção de benefícios emergenciais disponibilizados pelo governo federal durante a pandemia. Após a perícia das máquinas, outros crimes podem vir à tona.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: