Polícia

Vetor Oeste tem 38% das mulheres vítimas de violência doméstica

MAPA DA MARIA DA PENHA A região do 5º Distrito Policial é a que mais tem mulheres vítimas de agressão, seguida da região do São Camilo e Ponte São João


  ALEXANDRE MARTINS
O Guardiã Maria da Penha está acompanhando 202 mulheres que precisaram recorrer a medidas protetivas
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

No mapa da violência doméstica, em Jundiaí, o Vetor Oeste ficou em primeiro lugar com 38% das vítimas. Os dados são do programa Guardiã Maria da Penha, da Guarda Municipal de Jundiaí, que está acompanhando 202 mulheres atualmente. Todas elas precisaram recorrer a medidas protetivas contra seus companheiros e ex-companheiros.

Desde o início do programa, que completa dois anos em julho, 633 mulheres foram atendidas após sofrer algum tipo de violência doméstica. Dessas ocorrências, 240 foram na região do 5º Distrito Policial, que compete aos bairros Fazenda Grande, Almerinda Chaves, Jardim Novo Horizonte, Residencial Jundiaí, Eloy Chaves, Tulipas, Medeiros, Guanabara e Retiro.

Para a idealizadora e coordenadora do Guardiã Maria da Penha, a GM Andreia Melo, a vulnerabilidade econômica das vítimas é um dos agravantes e, por isso, o Vetor Oeste acaba sendo o primeiro colocado no mapa da violência. "Nós atendemos mulheres de todas as classes sociais e para todas é difícil sair de uma situação de violência e abuso, mas para a mulher economicamente dependente é ainda mais difícil", salienta.

Em segundo lugar no mapa da violência doméstica está a região da Ponte São João, Jardim São Camilo e outros bairros atendidos pelo 3º Distrito Policial, com 21% dos casos. Em seguida vem o 2º Distrito Policial, que compete aos bairros Parque da Represa, Vila Hortolândia, Fepasa, Cecap e arredores, com 15% das vítimas.

Segundo Andreia Melo, todas essas regiões têm em comum a presença de bairros com alta vulnerabilidade econômica. "Hoje a grande maioria das mulheres são agregadas ao programa após sofreram violência física, mas com o acompanhamento temos mantido mais de 70% delas em grau de risco verde, quando já não tem tanto risco de tentativa de feminicídio."

Em quarto lugar no mapa, mas não muito abaixo do terceiro colocado, está a região do 6º Distrito Policial, que atende o Santa Gertrudes e arredores, com 11% das vítimas. A região do 4º DP, que atende Vila Arens, Progresso, Jardim do Lago e outros bairros, vem na sequência com 10%. Os bairros com menor incidência de casos são o Centro, Anhangabaú, Jardim Paulista, Vila Municipal, etc, que competem ao 1º e 7º DPs com 3% e 2% dos registros, respectivamente.

Procurada, a Delegacia de Mulher de Jundiaí não forneceu dados de violência doméstica na cidade, tampouco comentou os casos ocorridos ao longo do ano. A Secretaria de Segurança Pública apenas encaminhou os dados estaduais, apesar da solicitação ter sido feita apenas para os crimes na cidade de Jundiaí.


Notícias relevantes: