Polícia

Jundiaí tem incêndio de grandes proporções pelo 3º dia consecutivo

QUEIMADAS Pelo menos quatro focos de incêndio foram registrados nos últimos três dias em Jundiaí, demandando ação da Divisão Florestal e Bombeiros


Divulgação
Incêndio no Eloy Chaves começou na noite de quinta-feira (19) e só foi contido durante a manhã de sexta-feira (20)
Crédito: Divulgação

Pelo menos quatro focos de incêndio foram registrados em Jundiaí nos últimos três dias. Em uma das queimadas, que mobilizou a Guarda Municipal de Jundiaí e o 19º Grupamento de Bombeiros no bairro Eloy Chaves, houve pelo menos 21 mil m² de área de mata rasteira destruída, o equivalente a dois hectares ou quase três campos de futebol.

A primeira queimada começou na tarde de quarta-feira (18), no Recanto Quarto Centenário, próximo ao Aeroporto de Jundiaí. Equipes da Divisão Florestal da GMJ, juntamente com bombeiros, equipes da DAE, voluntários da Mata Ciliar e funcionários da Unidade de Serviços Públicos da prefeitura atuaram até que as chamas foram controladas no final da noite.

Na quinta-feira (19), houve um grande incêndio na região leste da cidade, no bairro Caxambu, próximo ao Vale Azul.

Ainda na noite de quinta-feira (19), as chamas voltaram a tomar conta das áreas de pastagem próximas à Serra do Japi, dessa vez mais próximo ao Eloy Chaves. Segundo a Guarda Municipal de Jundiaí, o fogo atingiu parte da Fazenda Ermida e parte da Fazenda Bonifácio.

Durante toda a madrugada a Divisão Florestal da GMJ, juntamente com o Corpo de Bombeiros, atuaram para conter a proliferação do fogo. A Defesa Civil também foi acionada e trabalhou, inclusive, no rescaldo na área.

CRIMINOSO

De acordo com os bombeiros, a suspeita é de que, nesse caso, o fogo tenha sido criminoso. O coordenador da Defesa Civil de Jundiaí, coronel João Osório Gimenez, concorda que as características do fogo deram a entender que foi causado por iniciativa humana e não causas naturais.

"Nesse período, com a umidade relativa do ar muito baixa, uma bituca de cigarro jogada na vegetação seca, por exemplo, pode provocar um incêndio de grandes proporções como esse".

Para ele, o principal problema é a falta de chuva. "Como em Jundiaí ainda não choveu neste mês, houve a rápida propagação das chamas na mata seca. As equipes tiveram que atuar de forma intensa para o controle, evitando que o fogo chegasse até a Serra do Japi. Na região também temos aceiros preventivos, o que auxiliou na contenção. Nesta manhã, com a temperatura mais amena, foi possível apagar as chamas restantes e avaliar a área atingida", explica.

CAMPO LIMPO PAULISTA

De janeiro a agosto, a Defesa Civil de Campo Limpo Paulista já combateu 151 focos de incêndio. Em estimativa divulgada pela prefeitura, o cálculo indica que apenas dois dias por semana não tiveram queimadas ao longo desse ano.

Na última quarta-feira, 18, dois novos incêndios foram registrados no município. Pela manhã a ocorrência foi no bairro Estância São Paulo, onde o fogo atingiu quatro mil metros de extensão. Já à noite a equipe se deslocou até o Parque Loja da China, que devido à escuridão, a extensão apagada não teve como ser calculada. Ao todo, a Defesa Civil do município atendeu 23 ocorrências nos últimos 15 dias, sendo a maioria incêndios criminais.


Notícias relevantes: