Polícia

PF cumpre mandados em Jundiaí durante operação contra fraudes bancárias

Golpes foram praticados contra a Caixa Econômica Federal e beneficiários do Auxílio Emergencial, no valor de R$ 680 mil


Divulgação
PF cumpre mandado em Jundiaí em operação contra fraude bancária
Crédito: Divulgação

A Polícia Federal de Campinas (SP) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (25), uma operação contra fraudes eletrônicas bancárias em cartões de crédito e benefícios sociais. No total, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal de Jundiaí (SP), sendo um no município e três em São Paulo. 

De acordo com a investigação, os golpes foram praticados contra a Caixa Econômica Federal e beneficiários do Auxílio Emergencial. O valor dos golpes chega a R$ 680 mil. A operação, que recebeu o nome de "Código-Fonte", envolve seis investigados. Segundo a PF, o grupo teve acesso a pelo menos 30 mil cartões.

A investigação começou após uma prisão em flagrante efetuada no dia 2 de julho de 2020, em uma agência da Caixa em Várzea Paulista (SP). O suspeito fazia saques de benefícios sociais em nomes de terceiros. A partir daí, a corporação identificou os seis integrantes da quadrilha, que usavam dados obtidos em bancos de dados privados para encontrar as vítimas.

Os investigados buscavam beneficiários de auxílios pagos de forma eletrônica, assumiam digitalmente a identidade deles e sacava os valores. Segundo a Polícia Federal, esta é a 118ª operação para desarticular fraudes no Auxílio Emergencial. No total, foram desviados R$ 10 milhões do benefício.

O origem do nome da operação é por conta da relação mantida pelo suspeito preso no ano passado, que cooptou familiares e amigos para a prática do crime, dando a eles as instruções para a prática das fraudes eletrônicas. O homem está solto e mora em Jundiaí, onde houve mandados de busca e apreensão.

Os suspeitos vão responder pelos crimes de estelionato e associação criminosa. As penas somadas chegam a 10 anos de prisão. Os quatro mandados são para seis investigados porque a ordem é expedida para o endereço e, em um caso, os envolvidos são marido e mulher.


Notícias relevantes: