Polícia

Motorista é preso por falsa denúncia de roubo de carro após atropelamento

Um motorista de 32 anos foi preso pela GM de Jarinu pela prática de cinco crimes


Divulgação
Guarda Municipal de Jarinu
Crédito: Divulgação

Um motorista de 32 anos, morador do bairro da Usina, em Atibaia, foi preso pela Guarda Municipal de Jarinu e indiciado na Polícia Civil pela prática de cinco crimes, em apenas uma ocorrência.

O motorista de um Fiesta atropelou, no acostamento da Rodovia Edgard Máximo Zambotto, um homem de 45 anos.

A vítima relatou à Polícia que ao ver o carro vindo em sua direção no acostamento pulou para um barranco e mesmo assim foi atingido no braço e na perna. Enquanto a vítima foi a pé para o hospital de Jarinu, o autor “preparou” uma verdadeira “novela”, para tentar se livrar de um eventual processo na Justiça.

O dono do carro andou três quilômetros até uma pizzaria e ligou para a Guarda Municipal comunicando que dois homens armados tinham roubado o Fiesta e fugido em direção de Atibaia.

Os guardas iniciaram buscas, até que encontraram o carro em um barranco. Uma testemunha desmentiu a versão do motorista do carro e o denunciou como autor do atropelamento.

 

Preso em flagrante

Diante dos fatos apurados pelos guardas municipais de Jarinu, o morador de Atibaia recebeu voz de prisão e foi encaminhado ao Plantão da Polícia Civil.

A delegada Lucimara Taveira Bittencourt, após tomar ciência dos fatos, requisitou a realização de exame de alcoolemia por parte do Instituto Médico Legal (IML) em Jundiaí.

O doutor Bernardo constatou que o motorista estava embriagado. A partir daí, a delegada passou a adotar o indiciamento conforme vários artigos do Código Penal, como a lesão corporal contra a vítima do atropelamento. Depois a omissão de socorro. A fuga de local de acidente. Teve ainda a direção sob influência de álcool e, por final, a falsa comunicação de crime.

O motorista recebeu voz de prisão em flagrante sem direito à fiança e foi recolhido à cadeia de Campo Limpo Paulista, onde vai aguardar decisão da Justiça. As penas somadas dão mais de quatro anos de prisão.


Notícias relevantes: