Polícia

Ministério Público volta atrás após denunciar mulher negra que teve pescoço pisado por PM em SP


Divulgação
Ministério Público volta atrás após denunciar mulher negra que teve pescoço pisado por PM em SP
Crédito: Divulgação

O Ministério Público de São Paulo voltou atrás três dias após denunciar uma comerciante negra que teve o pescoço pisado por um policial militar durante uma ocorrência em maio do ano passado.

Nesta sexta-feira (22), a promotora Flávia Lias Sgobi, da 2ª Vara Criminal de Santo Amaro, pediu mais tempo para analisar o caso e disse que desconhecia o vídeo de agressão policial.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, feita na terça (19), a comerciante de 52 anos cometeu quatro crimes: violação de medida sanitária preventiva (ao infringir o Plano São Paulo, que restringia atividades comerciais para prevenção da Covid), resistência, desacato e lesão corporal.

Segundo a denúncia da Promotoria, antes de ser dominada pelos PMs, a comerciante de Parelheiros, zona sul da capital paulista, desacatou os policiais com xingamentos como "seus vermes" e os agrediu por duas vezes.

As agressões, de acordo com a peça do Ministério Público, ocorreram quando a comerciante tentou impedir que os policiais abordassem um cliente em seu bar, que estava aberto em desrespeito às regras da pandemia.

Em seu pedido de mais prazo à Justiça, a promotora afirmou que soube, pelo portal G1 na quarta (20), que os policiais militares vítimas da lesão corporal cometida pela comerciante haviam sido denunciados à Justiça Militar.

Após confirmar a denúncia dos agentes de segurança e também a veracidade do vídeo com imagens da violência, Sgobi afirmou que há fatos novos que devem ser analisados pelo Ministério Público.

"Considerando que a denúncia ainda não foi recebida e a existência de fatos novos, requeiro nova vista dos autos para melhor análise."

A promotora também criticou a conduta do advogado da comerciante, Felipe Pires Morandini. "Ciente da existência dos vídeos e da denúncia oferecida contra os policiais militares, não trouxe tais fatos aos autos, apenas pronunciando-se diretamente à imprensa após oferecida a denúncia."

De acordo com a promotora, o vídeo era suficiente para inocentar a comerciante e o advogado "faltou com boa-fé e/ou deixou de representar adequadamente a investigada nos autos".

Procurado, Morandini disse, em nota, que causa estranheza o fato de um membro do Ministério Público desconhecer a denúncia contra os policiais militares e também o vídeo, já que o caso teve grande repercussão à época.

As imagens foram divulgadas dias após a morte de George Floyd nos EUA, homem negro que foi assassinado pelo policial Derek Chauvin. O caso provocou protestos em todo o mundo e, assim como Floyd, a comerciante paulistana é negra.

Em nota, o advogado de defesa afirmou também que o ataque a ele demonstra desatenção e irresponsabilidade.

"Pelo princípio da presunção de inocência, é dever da acusação produzir a prova acima da dúvida razoável, de modo que o ônus da prova recai integralmente à acusação que deve possuir elementos indiciários mínimos para apresentar a denúncia, e prova suficiente (leia-se: incontestável) para a condenação. Tal ônus não pode (e não deve) ser transferido à defesa."


Notícias relevantes: