Polícia

Operações policiais que acabaram em massacre no Brasil


Divulgação
Operações policiais acabam em desastre
Crédito: Divulgação

Com as oito pessoas encontradas mortas numa região de mangue em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, o Brasil registra mais um massacre neste século. Dos anos 2000 para cá, houve ao menos 15, muito deles após policiais desencadearem operações.

O mais recente, no Complexo de Salgueiro, ainda depende de investigações para descobrir quem são os autores dos assassinatos e a causa do crime. O que se sabe, por enquanto, é que um dia antes, perto da área onde os corpos foram encontrados, a polícia diz ter entrado em confronto com suspeitos.
Relembre todos os casos.

Rio de Janeiro (RJ) - Maio de 2021

Uma operação da Polícia Civil na favela do Jacarezinho, na zona norte, terminou com 28 pessoas mortas, sendo considerada a mais letal da história do Rio. Presos durante a ação relataram terem sofrido tortura. Já os boletins médicos dos mortos descreveram os corpos com as vísceras para fora ou com "faces dilaceradas".

A polícia afirmou inicialmente que a investigação que motivou a incursão tratava de aliciamento de menores, homicídios, sequestros de trem e roubo. Em um relatório feito após a ação, porém, não constam esses crimes, mas o cumprimento de 21 mandados de prisão por associação ao tráfico de drogas.

Rio de Janeiro (RJ) - Fevereiro de 2021

Nove pessoas foram mortas em operação da PM nas comunidades da Caixa d'Água, Morro do 18 , Morro do Urubu, Flechal, Barão, Bateau Mouche e Chacrinha. Na ocasião, a PM informou que "durante as incursões, as equipes foram atacadas por criminosos armados".

A ação tinha como objetivo interromper confrontos entre quadrilhas que disputavam o controle armado dessas comunidades, com o objetivo de explorar atividades ilegais, segundo a PM. Seis pessoas foram presas e cinco fuzis apreendidos.

Alemão (RJ) - mai.2020

Uma operação das polícias Civil e Militar, com apoio do Bope, terminou com dez pessoas mortas no Complexo do Alemão, no Rio. Um policial militar ficou ferido na ação.

Entre os mortos, segundo a PM, estava um chefe do tráfico do morro Pavão-Pavãozinho que havia fugido da prisão em 2016. Ainda de acordo com a PM, criminosos armados atiraram e lançaram granadas contra as equipes do Bope.

A ação foi motivada, segundo a polícia, por informações a respeito do esconderijo de um líder de tráfico de drogas local e de uma casa usada para guardar fuzis. A polícia apreendeu oito fuzis, 85 granadas e drogas.

Paraisópolis (SP) - Dezembro de 2019

Uma ação da PM para dispersar um baile funk na favela de Paraisópolis, em São Paulo, acabou com nove jovens mortos por pisoteamento e sete pessoas feridas. Segundo imagens e relatos, a multidão acabou encurralada em vielas. Jovens afirmaram que a ação foi uma "emboscada".

A PM disse que a ocorrência começou com a perseguição de dois suspeitos em uma moto, que entraram no baile. A corporação afirmou que os policiais foram agredidos com pedradas e garrafadas e "houve necessidade do uso de munição química", com quatro granadas de efeito moral e oito tiros de balas de borracha.

Policiais que participaram da ação chegaram a ser afastados, mas a Corregedoria da PM classificou a ação como legal e pediu arquivamento da investigação.
Já a Promotoria afirmou ter indícios suficientes para denúncia por homicídio doloso. Dois inquéritos estão em fase final de conclusão.

Manaus (AM) - Outubro de 2019

A PM do Amazonas matou 17 pessoas durante ação contra o tráfico de drogas no bairro Crespo, em Manaus. Todos os corpos foram retirados da cena do crime antes da chegada da perícia. Nenhum policial se feriu.

Segundo a PM, membros de uma facção invadiram uma boca de fumo do grupo rival. Cerca de 60 homens da corporação foram ao local.
Os traficantes reagiram com tiros à abordagem, segundo a PM.

Em setembro de 2020, o Ministério Público do Amazonas apontou fortes indícios de que a PM tivesse assassinado as 17 pessoas e depois manipulado a cena.

Guararema (SP) - abr.2019

Onze pessoas foram mortas pela PM após explodirem duas agências bancárias, no centro de Guararema. Três suspeitos foram presos. Nenhuma quantia em dinheiro foi levada.

Os agentes souberam do plano após o Ministério Público interceptar ligações entre os criminosos. A data foi informada à Rota, que ficou de prontidão para agir.

O governador João Doria (PSDB) condecorou os policiais. Já um relatório da Ouvidoria da Polícia considerou haver fortes indícios de que as mortes ocorreram com os suspeitos já rendidos.

Morro do Fallet (RJ) - Fevereiro de 2019

PMs mataram 15 pessoas em operações nos morros do Fallet-Fogueteiro, Coroa e Prazeres, no centro do Rio.

A corporação afirmou que todos foram mortos em confronto –não há informação de agentes mortos ou feridos. Os moradores acusam os agentes de execução. Entre os mortos, estavam dois adolescentes.

O inquérito para apurar o caso chegou à conclusão de que os agentes não cometeram crime nem transgressão. Paralelamente, seguem as investigações da Polícia Civil e do Ministério Público estadual.

Várzea Paulista (SP) - Setembro de 2012

Um tiroteio entre policiais da Rota e suspeitos deixou nove mortos e cinco presos.

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), a polícia recebeu uma denúncia anônima informando o local onde um homem suspeito de estupro seria julgado por um "tribunal do crime". Dois pelotões da Rota foram enviados e os suspeitos tentaram fugir em dois carros.

Na perseguição, de acordo com a SSP, houve troca de tiros e quatro suspeitos morreram e três foram presos. Na chácara em que estaria ocorrendo o "tribunal", ainda de acordo com a polícia, outros cinco suspeitos foram baleados e morreram.

Vila Isabel (RJ) - Outubro de 2009

Confronto entre PMs e traficantes deixou 12 mortos e oito feridos no morro dos Macacos, na Vila Isabel, no Rio. Na operação, um helicóptero da PM foi derrubado pelos criminosos, matando dois policiais e deixando outros três feridos. Um homem e um adolescente foram detidos.

Segundo a polícia, membros do Comando Vermelho tentaram invadir o morro, controlado pela ADA (Amigos dos Amigos), o que deu início a um tiroteio. A PM foi enviada, mas precisou derrubar as barricadas na entrada da favela para entrar.

O então secretário da Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou que "dez marginais" foram mortos em confronto.

Alemão (RJ) - Junho de 2007

Megaoperação das policiais Civil e Militar de da Força Nacional de Segurança no Complexo do Alemão terminou com 19 mortos e 13 pessoas feridas –entre elas, uma aluna atingida na escola e uma criança. Treze corpos foram recolhidos pela polícia, e outros seis foram deixados em frente à 22ª DP (Penha), em uma van. Dos 1.350 policiais que atuaram, um ficou ferido. Três homens e um adolescente foram detidos.

Segundo a SSP, a operação visava o cumprimento de mandados de prisão e apreensão de drogas e armas. Foram apreendidos cinco fuzis, 60 bananas de dinamite com detonadores, cinco pistolas, duas metralhadoras antiaéreas, cerca de 2.000 munições, 30 kg de cocaína, 115 kg de maconha, lança-perfume e uma balança de precisão.

Entidades de direitos humanos rechaçaram a ação. A Anistia Internacional classificou a megaoperação como "violenta e caótica". Na ocasião, o secretário estadual de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, defendeu a ocupação como forma de combate à violência. Ele afirmou que a solução para o problema, no Rio, "é um remédio amargo", mas que é preciso "optar e seguir em frente".

O então presidente Luiz Ignácio Lula da Silva (PT) também defendeu a ação, afirmando que não se defende bandido com rosas.

Catumbi (RJ) - Abril de 2007

Operação no morro da Mineira, no centro, terminou com 13 mortos e sete feridos. Parte das vítimas chegou morta ao hospital municipal Souza Aguiar, a bordo do carro blindado da PM, o Caveirão. Nove suspeitos foram presos.

Policiais entraram na favela, que estava sob disputa do CV (Comando Vermelho) e ADA, após um tiroteio entre os criminosos interditar o túnel Santa Bárbara.
No total, foram apreendidos três fuzis, cinco pistolas e porções de drogas.

São Bernardo do Campo (SP) - Junho de 2006

A Polícia Civil matou 13 pessoas, supostamente ligadas ao PCC, em uma operação que tinha objetivo de evitar ataque da facção criminosa contra agentes penitenciários em São Bernardo do Campo. Cinco suspeitos foram presos e outros quatro fugiram.

A polícia afirmou ter surpreendido o grupo quando se preparavam para atacar os agentes. Dez suspeitos foram mortos no local. Três foram perseguidos e mortos no município vizinho, Diadema.

Um dia antes, o então governador Cláudio Lembo (PFL) havia dito que o PCC ameaçava dar início a "muitos" ataques no estado.

A ação ocorreu um mês depois de 564 pessoas, entre civis e agentes de segurança, terem sido executados no estado, no episódio conhecido como crimes de maio.

Senador Camará (RJ) - Janeiro de 2003

Ação contra o tráfico de drogas deixou 14 mortos, entre eles um policial civil e um militar, na comunidade da Coreia, em Senador Camará. Segundo a polícia, outros dois suspeitos morreram de overdose enquanto eram levados para a delegacia.

Segundo o então secretário estadual de Segurança Pública, Josias Quintal, a "ação da polícia foi legal".
Dois PMs foram presos acusados de pertencer à quadrilha. Outros cinco supostos criminosos também foram presos.

Castelinho (SP) - Março de 2002

PMs mataram 12 supostos integrantes do PCC no pedágio da rodovia Senador José Ermírio de Moraes, conhecida como Castelinho, na região de Sorocaba.

A ação recebeu elogios do então secretário da Segurança Pública, Saulo de Castro Abreu Filho, e do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

A investigação apontou que os policiais deram um fim às fitas do circuito de segurança. A Promotoria chegou a indiciar 53 PMs sob acusação de homicídio triplamente qualificado. A Justiça, no entanto, entendeu que os agentes agiram no estrito cumprimento do dever e, por isso, decidiu não levá-los a júri.


Notícias relevantes: