Polícia

Homem que comercializava peças veiculares sem procedência é preso na Capital


Divulgação
Homem que comercializava peças veiculares sem procedência é preso na Capital
Crédito: Divulgação

A Polícia Civil prendeu na segunda-feira (22) um homem que comercializava peças veiculares sem procedência. O flagrante aconteceu em um estabelecimento comercial no bairro Iguatemi, na zona leste de São Paulo.

A ação foi deflagrada por agentes da 4ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Furtos, Roubos e Receptações de Veículos e Cargas (Divecar), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

A equipe estava em diligências para combater a comercialização de peças veiculares produtos de furto e roubo quando receberam uma denúncia de uma oficina clandestina, destinada ao desmonte de veículos produtos de crime.

Os policiais foram até o local, Rua Dos Alagoanos, e permaneceram de campana velada, sendo possível verificar a grande movimentação de veículos que estacionavam na frente do local, e após um tempo deixavam o mesmo.

Em determinado momento, os agentes então resolveram realizar a abordagem e, dentro do estabelecimento, fizeram contato com o proprietário, que acompanhou uma vistoria minuciosa dentro do imóvel.

Durante as buscas, foram localizadas diversas peças veiculares usadas sem a devida identificação ou documento que comprovasse a procedência lícita para comercialização. Além disso localizaram diversos câmbios sem identificação e sem a nota fiscal.

O responsável não soube informar a procedência daquelas peças e muito menos o motivo de estar sem a identificação e afirmou que não possuía qualquer documento fiscal de entrada ou saída das respectivas mercadorias.

Os materiais expostos para venda não estavam devidamente cadastrados junto ao Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), de forma a ser possível seu rastreamento, conforme determinam os procedimentos legais.

As peças foram apreendidas para perícia e o homem foi preso em flagrante e será investigado por receptação qualificada e crimes contra as relações de consumo. As diligências prosseguem.


Notícias relevantes: