Polícia

Comerciante é preso em operação da Civil contra cigarros eletrônicos

O produto é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)


divulgação
Todo o material apreendido estava em um único comércio
Crédito: divulgação

Um comerciante foi preso em flagrante, por policiais civis de Cabreúva, na manhã desta quinta-feira (28), durante operação de combate a comercialização de cigarros eletrônicos e insumos.

Vários comércios da cidade que vendem esse tipo de produto – que é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) -, foram fiscalizados. Em um deles os investigadores apreenderam grande quantidade de cigarros, insumos e outros produtos ligados à comercialização ilegal.

O proprietário do local foi preso em flagrante e levado para a delegacia, onde teve voz de prisão ratificada em flagrante. Com base na lei, o delegado estipulou valor de fiança, que foi paga pelo indiciado, e ele foi liberado para responder ao processo em liberdade.

PROIBIÇÃO MANTIDA
A liberação do cigarro eletrônico esteve em pauta neste mês, no dia 7, quando a Anvisa decidiu manter a proibição de importação, propaganda e venda de cigarros eletrônicos no Brasil. A restrição começou em 2009, mas a comercialização continua ocorrendo de forma ilegal no país.

A decisão foi tomada durante a 10ª reunião da diretoria colegiada do órgão. Por unanimidade, a diretoria seguiu voto proferido pela diretora Cristiane Rose Jourdan.

Segundo a diretora, estudos científicos demonstram que o uso dos dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs) está relacionado com aumento do risco de jovens ao tabagismo, potencial de dependência e diversos danos à saúde pulmonar, cardiovascular e neurológica.

Os cigarros eletrônicos são aparelhos alimentados por bateria de lítio e um cartucho ou refil, que armazena o líquido. Esse aparelho tem um atomizador, que aquece e vaporiza a nicotina. O aparelho traz ainda um sensor, que é acionado no momento da tragada e ativa a bateria e a luz de led.

A temperatura de vaporização da resistência é de 350°C. Nos cigarros convencionais, essa temperatura chega a 850°C. Ao serem aquecidos, os DEFs liberam um vapor líquido parecido com o cigarro convencional.

Os cigarros eletrônicos estão na quarta geração, onde é encontrada concentração maior de substâncias tóxicas. Existem ainda os cigarros de tabaco aquecido. São dispositivos eletrônicos para aquecer um bastão ou uma cápsula de tabaco comprimido a uma temperatura de 330°C. Dessa forma, produzem um aerossol inalável.


Notícias relevantes: