Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Acusado de torturar namorada por três dias em Várzea é preso pela Polícia Civil

Fábio Estevam | 12/05/2020 | 15:39

A Policia Civil de Várzea Paulista prendeu, na manhã desta terça-feira (12), o homem acusado de torturar sua namorada por três dias seguidos, no Jardim Primavera, na semana passada. Segundo depoimentos dela e de testemunhas, ele também a manteve em cárcere privado.

Depois de ser espancada por três dias, ela teria sido deixada por ele, trancada, enquanto foi trabalhar, para que pudesse continuar as agressões quando retornasse. No dia 5, porém, após gritos de socorro, vizinhos ouviram e chamaram a Guarda Municipal. GMs foram até lá e a libertaram, em momento de muita comoção.

Desde então ele vinha sendo procurado e a Polícia Civil estava investigando, sendo que o delegado Rafael Diório, responsável pelo caso através da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), representou pela prisão temporária dele, ainda na semana passada.

O mandado foi concedido pela Justiça na segunda-feira (11) e os investigadores cumpriram na manhã desta terça.

A Polícia Civil também recuperou o aparelho celular pertencente à vítima. Nessa fase de prisão temporária, serão realizadas diligências como indiciamento e o encaminhamento do inquérito policial à Justiça. “A prisão temporária é por cinco dias. Por enquanto o quer tínhamos era o depoimento dela, de testemunhas e o BO feito pela guarda municipal. Agora poderemos ouvi-lo, também, e poderemos então saber se de fato tudo o que aconteceu, se ouve agressão, cárcere e tudo mais”, disse ele. “O fato é que a denúncia é grave e a prisão precisava ser feita. Só que não estávamos encontrando ele”, disse Diório.

O acusado foi encaminhado ao Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista, onde vai permanecer durante os dias da prisão temporária e as investigações.

 

A prisão foi feita pela equipe comandada pelo delegado Rafael Diório


Leia mais sobre | | |
Link original: https://www.jj.com.br/policia/acusado-de-torturar-namorada-em-varzea-e-preso-pela-policia-civil/
Desenvolvido por CIJUN