Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guarda Municipal faz primeira apreensão de óleo de maconha em Jundiaí; você já ouviu falar?

GERALDO DIAS NETTO | 04/07/2018 | 05:30

A Guarda Municipal de Jundiaí fez, nesta terça-feira (3), a primeira apreensão na Região de um novo tipo de droga comercializado na cidade. Trata-se de óleo de maconha, vendido em seringas e utilizado, a princípio, para tratamento de casos de epilepsia. O líquido foi encontrando no Jardim São Camilo por uma equipe do Apoio Tático. Além dele, grande quantidade de maconha, dividida em 13 tijolos, foi apreendida, bem como outros tipos de narcóticos, como cocaína, crack, LSD e ecstasy. Dois suspeitos conseguiram fugir no momento da aproximação da viatura, que patrulhava a rua Idalina Gonçalves Dias. Eles entraram em uma área de mata, por onde conseguiram escapar sem ser identificados.

Ao todo, foram apreendidos 13 tijolos de maconha escondidos sob entulhos, outras 36 porções da droga já prontas para a venda, 170 pedras de crack, 21 tubetes de cocaína, cinco micropontos de LSD (uma droga de grande poder alucinógeno) e cinco comprimidos de ecstasy, narcótico sintético conhecido popularmente como “droga do amor” por potencializar as sensações táteis durante o sexo. Todo o material foi apresentado no 3º DP pela equipe do Apoio Tático (Jonas, Lima, Relvy e Volpiani), considerada uma das mais experientes da GM local e coordenada pelo comandante Moreno e subcomandante Vilas Boas. A Polícia Civil trabalha agora para identificar os donos das drogas.

CLIQUE AQUI E VEJA OUTRAS NOTÍCIAS NO PLANTÃO POLICIAL

Óleo
De acordo com a GM, o óleo de maconha estava distribuído em seis seringas e potencializa em até 80% os efeitos da erva. Já sua extração seria complexa, motivo pelo qual pouquíssimas apreensões do tipo ocorreram em todo o Estado de São Paulo. Em Jundiaí, uma droga do tipo ainda não havia sido apreendida pela polícia. Além de utilizado no cigarro de maconha, o óleo também seria aplicado em cigarros normais, evitando o cheiro da droga e provocando o mesmo efeito buscado por usuários deste tipo de entorpecente.

À reportagem do JJ, um usuário do óleo, que pediu para não ser identificado, contou que experimentou recentemente a droga, trazida a Jundiaí, para consumo próprio, por um amigo. “Eu fumei com tabaco, mas parecia que estava fumando um ‘baseado’ (cigarro de maconha). Não sabia que existia e, quando meu amigo me apresentou, disse que era difícil de achar no Estado de São Paulo e estava contente por ter encontrado em Recife”, contou.

Segundo ele, o óleo de maconha também é mais caro do que a porção geralmente vendida, custando de R$ 70 a R$ 100 a seringa. “Acredito que seja algo mais natural pelo fato de ser extraído diretamente da planta. Uns dizem que é até medicinal”, acrescentou. Apesar da dificuldade de se apreender tal tipo de drogas, vídeos na internet mostram o processo de produção do óleo, além de uma palestra na Universidade Federal do Maranhão sobre o uso do líquido para o tratamento de autismo. O tratamento, segundo seus realizadores, foi experimental, com parâmetros técnico-científicos.

Por outro lado, a venda do óleo de maconha no país é expressamente proibida por lei, com exceção aos casos de pacientes de certas doenças que conseguem autorização do Poder Judiciário, respondendo aquele que o comercializa por tráfico de drogas, cuja pena pode chegar a 15 anos de reclusão, além do pagamento de multa ao Estado.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


Leia mais sobre | |
Link original: https://www.jj.com.br/policia/guarda-municipal-faz-primeira-apreensao-de-oleo-de-maconha-em-jundiai-voce-ja-ouviu-falar/
Desenvolvido por CIJUN