Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Motorista de Uber que assediou passageira é preso

Da Redação | 23/01/2019 | 08:51

Um motorista de transporte por aplicativo que estava sendo procurado pela Polícia Civil por estupro foi preso nesta terça-feira (22) por guardas municipais na Vila Agrícola em Jundiaí.

Thiago Fantinelli estava conduzindo um Fiat Uno na cor preta quando foi abordado pelos GMs de Sá e Cambiagui na rua José Maria Marinho.

O veículo estava cadastrado no sistema OCR da GMJ a pedido da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) que conduz o caso e por isso a identificação foi possível.

No local os guardas e Policiais reconheceram Thiago como sendo o autor do estupro a uma mulher que saía de uma casa de eventos na última sexta-feira (18). O motorista foi levado até a DIG para esclarecimentos, porém está em liberdade segundo as primeiras informações.

Na noite do último domingo (20), uma moradora de Jundiaí prestou queixa na Polícia Civil de crime de estupro contra um motorista de aplicativo de transporte. Ela relatou que foi a uma casa de shows com algumas amigas e na hora de ir embora, sozinha, solicitou o serviço pelo celular. Durante o caminho, o motorista olhou repetidas vezes pelo retrovisor, fez algumas perguntas invasivas e elogios incômodos.

Em nota enviada à redação do JJ, a empresa Uber diz que lamenta o crime terrível e que o motorista foi banido do aplicativo assim que a denúncia foi feita.

A Uber repudia qualquer tipo de comportamento abusivo contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência. Nenhuma viagem com a plataforma é anônima e todas são registradas por GPS. Isso permite que, em caso de necessidade, nossa equipe especializada possa dar suporte às autoridades, sabendo quem foi o motorista parceiro e o usuário, seus históricos e qual o trajeto realizado, além de acionar seguro que cobre despesas médicas em caso de incidentes.

A empresa está à disposição para colaborar com as autoridades no curso da investigação ou de processos judiciais, nos termos da lei e que defende que as mulheres tenham o direito de ir e vir da maneira que quiserem, assim como fazer isso em um ambiente seguro.

Como parte desses esforços, em novembro do ano passado a empresa  anunciou um compromisso público para enfrentamento à violência contra a mulher no Brasil, materializado no investimento de R$ 1,55 milhões até 2020 em projetos elaborados ao longo dos últimos 18 meses em parceria com entidades que são referência no assunto.

 

 

uber


Link original: https://www.jj.com.br/policia/motorista-de-uber-que-assediou-passageira-e-preso/
Desenvolvido por CIJUN