Política

LOA destinará R$ 68 milhões para investimentos em 2021

Jundiaí Lei Orçamentária Anual prevê um total de R$ 2,575 bilhões disponíveis ao município para o exercício no ano de 2021


Divulgação
As questões de orçamento e finanças da Prefeitura de Jundiaí precisam passar pela aprovação da Câmara
Crédito: Divulgação

A Câmara de Jundiaí recebeu ontem (29) o gestor de Governo e Finanças da Prefeitura de Jundiaí, José Antonio Parimoschi, em audiência pública para apresentar à Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara o projeto de lei que fixa o orçamento do município para o ano de 2021, a chamada Lei Orçamentária Anual (LOA).

De acordo com o texto, o orçamento previsto para Jundiaí no ano que vem é de R$ 2,575 bilhões. Deste valor, R$ 68 milhões, que correspondem a 2,61% do total, serão destinados a novos investimentos. Como de costume, Saúde e Educação são os dois setores com maior previsão de investimentos, com pouco mais de R$ 600 milhões para cada um.

Como não podeira deixar de ser, o principal assunto foi o impacto da pandemia da covid-19 na economia do município. Contudo, segundo o gestor, "a tragédia que era esperada não veio de maneira tão forte. O auxílio emergencial irrigou a economia com recursos e tornou o ambiente econômico menos catastrófico do que era previsto no início da pandemia, quando se esperava uma redução do Produto Interno Bruto (PIB) de mais de 10%."

O desemprego agora é a principal preocupação e foi um dos assuntos mais tratados. No Brasil, 4,1 milhões de pessoas perderam o emprego durante a pandemia. "Essa é a última parte da economia que se consegue recuperar, se é que conseguiremos. Isso deve ser feito através de articulação tanto do setor público quanto da iniciativa privada, levando em conta a redução do auxílio emergencial, que acaba em janeiro, e a economia volta a andar com suas próprias pernas", pontua Parimoschi.

Foram R$ 124,5 milhões em arrecadação federal nestes quatro meses, que teve um aumento de 1,33% em relação a este mesmo período do ano passado. No acumulado da janeiro a julho, porém, há uma queda de 8% nos recursos repassados pela União quando comparado com 2019. Em relação à receita tributária, apenas ao mês de julho, foram arrecadados R$ 12,9 milhões, o que representa uma retração de 5,3% na comparação com este mesmo mês em 2019.

O gestor citou ainda a importância das reformas estruturais (administrativa e tributária) no enfrentamento à crise financeira que todo o país vive. "Se elas não acontecem, o desenvolvimento trava e não saímos do negativo. A reforma administrativa precisa ser votada, pois o serviço público consome muito do nosso Produto Interno Bruto, quase 14% de todo o PIB do Brasil", relata.

Saúde

José Antonio Parimoschi destacou também o trabalho realizado por toda a prefeitura no enfrentamento à covid-19. O Programa Federativo previu um repasse de R$ 46,8 milhões a Jundiaí, dos quais aproximadamente R$ 6 milhões foram aplicados na Saúde e na Assistência Social.

Os outros R$ 40 milhões foram destinados para a recomposição da perda de arrecadação tributária do ano, que será de cerca de R$ 200 milhões até o final de 2020. Os repasses foram feitos em quatro parcelas iguais. "Foi um reforço importante. Nossas escolhas são todas feitas a partir de dados reais e orientados pelos resultados reais da nossa cidade e do nosso país", completou o gestor.

 


Notícias relevantes: