Política

Setores pedem revisões de leis para expansão de atividades

mudança Os escolhidos nas eleições municipais que acontecem amanhã (15) terão a missão de retomar o desenvolvimento


divulgação
Comércio, indústria e setor de imóveis esperam novas lei e medidas para voltarem a crescer em 2021
Crédito: divulgação

Às vésperas das eleições municipais, em ano conturbado como 2020, setores como comércio, indústria e construção civil já começam a fazer previsões sobre como a atuação conjunta destes segmentos e a nova administração pública poderão resultar em crescimento e recuperação econômica.

Segundo representantes dos setores, a expectativa é de melhora e retomada do fluxo das atividades, mas a participação da administração pública, tanto Legislativo quanto Executivo, será fundamental para o bom funcionamento da economia municipal. Para isso, mais autonomia para os empreendedores, leis mais flexíveis e menos burocracia são as principais reivindicações.

"Para nós, do comércio, que tanto sofremos, 2021 será um ano de recuperação e de tomar fôlego, tirar um pouco o pescoço debaixo d'água. Somos muito gratos com a atual administração pública e ano que vem precisaremos ainda mais desse trabalho em conjunto, tanto com a Prefeitura quanto com a Câmara de Jundiaí", comenta o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Jundiaí, Edison Maltoni.

Para ele, uma maior liberdade para o comércio caminhar com as próprias pernas será fundamental em 2021. "Na Câmara, será preciso rever algumas leis, permitir maior flexibilização para o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, principalmente aos finais de semana e adotar medidas para fazer com que eles se tornem menos dependentes dos sindicatos", completa.

Já no setor imobiliário, espera-se algumas mudanças na legislação para produzir empreendimentos mais adequados às necessidades das novas gerações. "Nosso desejo é que a próxima gestão mantenha trabalho conjunto com o setor privado para o desenvolvimento urbanístico, prezando pela competência técnica e bem-estar de toda a sociedade. Um maior aproveitamento construtivo e não obrigação de vagas de garagem em áreas bem providas de transporte coletivo ou ciclovias são alguns exemplos que poderiam trazer melhorias. Incentivos técnicos para a produção de empreendimentos econômicos também são bem-vindos", afirma Eli Gonçalves, vice-presidente de Marketing e Inteligência de Mercado da Proempi.

Valorização

Na indústria, o pensamento é em valorizar e expandir as empresas que já estão em Jundiaí e que passaram por um ano tão complicado em 2020. "Mais do que pensar em crescimento e trazer novos investimentos e mais empresas de fora, a nova administração deve se concentrar em adotar medidas para a manutenção das atividades que já estão aqui, impedir saída da capital e promover um ambiente propício para a manutenção e expansão das atividades locais", comenta Marcelo Cereser, diretor-titular do Ciesp-Jundiaí.

"A nova administração deverá entender as dificuldades do empresário, e ver o investidor como um parceiro. Esse ano, a gestão municipal fez o que foi possível perante a situação do momento, mas o sistema burocrático de Jundiaí e do Brasil é sempre penoso para o empresário. Precisa haver mais confiança. Para o próximo ano, esperamos que façam ainda mais e olhem com carinho para quem já está aqui."


Notícias relevantes: