Política

Governo de SP apresenta Plano Estadual de Imunização

Covid-19 Em pronunciamento na manhã de ontem (6), o governadr João Doria pediu colaboração e obediência aos municípios


Alexandre Martins
Focado na vacina, João Doria continua afirmando que o Brasil passa por uma segunda onda da covid-19
Crédito: Alexandre Martins

O governador João Doria apresentou nesta quarta-feira (6), durante o 1º Seminário Virtual de Gestão Pública, o Plano de Estadual de Imunização contra o coronavírus aos 645 prefeitos eleitos para os mandatos iniciados em 2021. A estratégia das autoridades estaduais é iniciar a imunização contra a covid-19 em todas as regiões do estado no dia 25 de janeiro.

A Prefeitura de Jundiaí, por meio do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus (CEC), informa que a cidade acompanha as orientações do Plano São Paulo de Retomada Econômica, conforme as avaliações realizadas e faseamento anunciado.

Com a crescente no número de casos, as ações de orientação e de fiscalização foram intensificadas pelos órgãos do município, inclusive com a realização de bloqueios para evitar aglomerações durante os festejos de final de ano em pontos determinados da cidade.

A primeira etapa de vacinação vai priorizar profissionais da saúde, pessoas com 60 anos ou mais e grupos indígenas e quilombolas. A expectativa do Estado é que 9 milhões de pessoas sejam imunizadas na primeira etapa, com a aplicação de 18 milhões de doses, até o dia 28 de março.

"A saúde é a prioridade absoluta. Lamentavelmente, todos os 215 países estão enfrentando uma segunda onda desse vírus e isso exige cuidado, zelo, disciplina, perseverança, determinação e coragem para fazer o que precisa ser feito", disse Doria. O Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, listou aos prefeitos os detalhes do plano.

A campanha, coordenada pela Secretaria Estadual da Saúde em parceria com os 645 municípios paulistas visa dobrar o total de postos de vacinação dos atuais 5,2 mil para até 10 mil. A estimativa é de que a vacinação envolva cerca de 79 mil profissionais, com 54 mil trabalhadores do setor da saúde e 25 mil agentes da segurança pública para garantir a segurança da população e evitar aglomerações nos locais de imunização.

Nas falas de Doria, ainda houve cobranças de obediência às determinações de restrições, como fechamentos de comércios. "Alguns poucos prefeitos e prefeitas não agiram como deveriam. Foram poucos, mas nós esperamos que essas exceções não mais aconteçam", disse Doria.

O governador afirmou que o ano será difícil, uma vez que o estado vive uma segunda onda, assim como o país e muitos outros países do mundo. O secretário não apresentou os dados finais da vacina e citou números divulgados anteriormente, como a capacidade da vacina de produzir resposta imune em 97% dos casos, conforme publicação científica.

Após desobediência de prefeitos às regras do Plano SP, houve cobrança e ameaça de punições a quem descumprir as determinações do comitê de saúde. "Vamos priorizar aqueles que seguem o Plano São Paulo. Aqueles que forem irresponsável irão para o fim da fila nos atendimentos", disse Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional.

A campanha coordenada pela Secretaria Estadual da Saúde em parceria com os 645 municípios paulistas visa dobrar o total de postos de vacinação dos atuais 5,2 mil para até 10 mil. A estimativa é de que a vacinação envolva cerca de 79 mil profissionais, com 54 mil trabalhadores do setor da saúde e 25 mil agentes da segurança pública para garantir a segurança da população e evitar aglomerações nos locais de imunização.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: