Política

Trump é banido permanentemente do Twitter e caso vira discussão


Divulgação
Donald Trump continua a criticar o resultado das eleições americanas
Crédito: Divulgação

O Twitter suspendeu permanentemente a conta do presidente Donald Trump. Quem acessar sua página, não encontrará suas publicações ou fotos.

"Após uma análise detalhada dos tweets recentes da conta [de Donald Trump] e do contexto em torno deles, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência ", disse a empresa

A Twitter Safety, que cuida da segurança da plataforma, disse a estrutura da rede social existe para permitir que o público ouça diretamente os líderes mundiais, no entanto, "há anos deixamos claro que essas contas não estão acima de nossas regras e não podem usar o Twitter para incitar a violência".

Inluenciadores bolsonaristas se solidarizaram com o presidente americano e trocaram suas fotos de perfil na rede social pela foto do futuro ex-presidente dos EUA.

Leandro Ruschel e Allan dos Santos estão entre os que participaram da manifestação de repúdio em favor de Donald Trump. Ambos, inclusive, são investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por fazerem parte de um "mecanismo coordenado de criação e divulgação" de fake news.

Allan dos Santos tem histórico com a Corte. Ele é alvo de outro inquérito que investiga o financiamento de atos antidemocráticos em Brasília.

Após ser alvo de mandado de busca e apreensão no inquérito das fake news, Santos fugiu do Brasil e anunciou o sucesso da fuga em uma live com a ajuda da deputada federal Bia Kicis (PSL-SP), que também é bolsonarista. Segundo os investigadores, ele teria deixado o país em um avião rumo ao México.

A fuga aconteceu em agosto de 2020. Na ocasião, Santos alegou que teria descoberto um suposto plano de espionagem contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Quase cinco meses depois, ele ainda não apresentou qualquer prova da existência de tal conspiração que, segundo ele, envolveria as embaixadas da China e Coreia do Sul, os ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso e o advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay.

Quem também optou por defender o presidente dos EUA por meio da "performance" foi Rodrigo Constantino, que após ser demitido da rádio Jovem Pan por dizer que colocaria a filha de castigo caso fosse estuprada, voltou à emissora como comentarista convidado para cobrir as férias do jornalista e também comentarista Augusto Nunes.

O presidente republicano já havia sido bloqueado no Facebook e no Instagram pelo menos até a cerimônia de posse do democrata Joe Biden, programada para 20 de janeiro.

"Acreditamos que os riscos de permitir que o presidente continue a usar nossos serviços durante este período são grandes demais", disse Zuckerberg em um comunicado publicado no próprio Facebook.

A plataforma de streaming de games Twitch, adquirida pela Amazon em 2014, também anunciou o banimento da conta do republicano ao menos até o fim de seu mandato.

Alegando risco de violência, o Facebook já havia removido na quarta um vídeo do republicano no qual ele pedia aos manifestantes que fossem para casa mas reafirmava falsamente que o pleito foi fraudado.

O mesmo conteúdo também recebeu alertas antes de ser removido pelo Twitter, que excluiu ainda uma publicação em que Trump dizia que o vice-presidente Mike Pence.

(Das agências)


Notícias relevantes: