Política

Forças Armadas é que decidem se 'povo vai viver numa democracia ou numa ditadura', diz Bolsonaro

Presidente disse que no Brasil 'ainda temos liberdade', mas que isso pode mudar caso os integrantes das Forças Armadas não sejam reconhecidos


Divulgação
Jair Bolsonaro
Crédito: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (18) que "quem decide se um povo vai viver numa democracia ou numa ditadura são as suas Forças Armadas". De acordo com Bolsonaro, no Brasil "temos liberdade ainda", mas "tudo pode mudar" se homens e mulheres que compõem as Forças Armadas brasileiras não tiverem seu valor reconhecido.

"Quem decide se um povo vai viver numa democracia ou numa ditadura são as suas Forças Armadas. Não tem ditadura onde as Forças Armadas não apoiam. No Brasil, temos liberdade ainda. Se nós não reconhecermos o valor desses homens e mulheres que estão lá, tudo pode mudar", disse Bolsonaro a apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

O vídeo do encontro foi publicado, com cortes, em uma rede social. O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente, também publicou trechos da conversa na internet.

O presidente disse ainda que "querem levar o Brasil para o socialismo" e que as Forças Armadas foram "sucateadas". "Por que sucatearam as Forças Armadas ao longo de 20 anos? Porque nós militares somos o último obstáculo para o socialismo", disse o presidente.

 

VENEZUELA

O presidente também fez críticas ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ironizando o fato de o país vizinho ter oferecido oxigênio para suprir a necessidade da rede de saúde em Manaus, no Amazonas.

"Agora se fala que a Venezuela está fornecendo oxigênio para Manaus. A White Martins é uma empresa multinacional que está lá também. Se o Maduro quiser fornecer oxigênio para nós, vamos receber, sem problema nenhum. Agora, ele poderia dar o auxílio emergencial para o seu povo também, né?", declarou o presidente. Segundo Bolsonaro, na Venezuela, "o salário mínimo lá não compra nem um quilo de arroz".

"Não tem mais cachorro lá. Por que será? Uma peste? Comeram os cachorros todos, comeram os gatos todos. E vem uns idiotas, eu vejo aí, elogiando. 'Ah, olha o Maduro, coração grande ele tem'. Realmente, um cara daquele tamanho, né, 200 quilos, dois metros de altura, o coração dele deve ser muito grande, nada além disso", complementou.

 

USO EMERGENCIAL DA VACINA

Na mesma conversa, Bolsonaro também fez sua primeira manifestação pública após a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de aprovar o uso emergencial de duas vacinas (CoronaVac e de Oxford) contra a Covid-19 no Brasil.

Em recado ao governador de São Paulo, João Doria, Bolsonaro afirmou que o imunizante "é do Brasil, não é de nenhum governador não."

Dória deu início à vacinação em São Paulo no domingo (17), minutos depois da aprovação do uso emergencial pela Anvisa, antes do previsto pelo Ministério da Saúde e da distribuição das doses para outros estados.

Antes da aprovação pela Anvisa, Bolsonaro questionou diversas vezes a eficácia da CoronaVac devido à sua origem chinesa. Em outubro, o presidente chegou a suspender um acordo entre o Ministério da Saúde e o Butantan para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac. Ele também havia dito que não compraria vacina da China.


Notícias relevantes: