Política

Lira e Pacheco definem pauta econômica como prioridade

Os novos presidentes do Senado e da Câmara também defenderam um processo de vacinação mais ágil no país


DIVULGAÇÃO
Candidatos apoiados por Bolsonaro venceram na Câmara e no Senado
Crédito: DIVULGAÇÃO

Os novos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), divulgaram nesta quarta-feira (3) uma pauta conjunta que prioriza projetos econômicos. Eles também defenderam um processo de vacinação mais ágil no país.

Ambos ainda declararam apoio a um auxílio emergencial dentro do teto de gastos, mesmo enfrentando a oposição manifesta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesse ponto.

Lira e Pacheco realizaram um evento pela manhã no qual leram um documento conjunto, com pautas prioritárias para o Congresso. Na sequência, os presidentes das Casas foram para o Palácio do Planalto para um encontro com Bolsonaro, que apoiou a campanha de ambos na eleição do Congresso.

A visita ao Planalto foi um gesto idealizado para ilustrar a mudança na relação entre Executivo e Legislativo, conturbada durante a gestão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à frente da Câmara.

A conversa, que não entrou na agenda oficial de Bolsonaro, mas foi anunciada pelos parlamentares, foi rápida, e os três em seguida fizeram pronunciamento à imprensa, sem abrir para perguntas.

Enquanto os cinegrafistas se organizavam para a declaração conjunta, Bolsonaro orientou Pacheco e Lira a cada um falar por apenas 30 segundos e depois sair.

"Este diálogo não começou hoje, começou durante a própria campanha. Apresentamos uma sugestão de pautas para os presidentes da Câmara e do Senado. Possam ter uma certeza absoluta: o clima é o melhor possível e imperará a harmonia entre nós", afirmou Bolsonaro.

Jair Bolsonaro entregou uma lista de projetos considerados prioritários pelo governo. Entre eles estão propostas que ampliam posse e porte de armas e uma que prevê excludente de ilicitude (tese sobre autorização para matar em suposta ação de legítima defesa) para militares em operações de garantia da lei e da ordem. (FP)

 


Notícias relevantes: