Política

Frente anti-Bolsonaro remói derrota e vê obstáculos para 2022

A união de diferentes perfis ideológicos para oposição já fracassou outras duas vezes


DIVULgAÇÃO
Arthur Lira será um importante aliado de Jair Bolsonaro até 2022
Crédito: DIVULgAÇÃO

O naufrágio do bloco que apoiava Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa pela presidência da Câmara expôs os entraves para a formação de uma frente ampla de oposição ao presidente Jair Bolsonaro na eleição de 2022.

A união de diferentes perfis ideológicos com caciques de MDB, PT, PDT, PSB, PC do B, Cidadania, Rede, PV, PSDB, DEM e PSL - os dois últimos acabaram abandonando o barco - foi vista como um ensaio dessa frente, que já fracassou outras duas vezes.

Na segunda-feira (1º), quando o governista Arthur Lira (PP-AL) derrotou Baleia contando com rachas nos partidos que apoiavam o emedebista, o recado foi que as siglas e os deputados definem "lado" muito mais com base em vantagens pragmáticas para se reelegerem, como verbas e cargos, do que pela convicção de derrotar Bolsonaro.

Deputados ouvidos pela reportagem acreditam ser difícil uma união de esquerda, centro e direita moderada em uma candidatura presidencial única em 2022, mas avaliam que o segundo turno, dependendo de quem nele estará, pode forçar isso.

Especialistas concordam que o sistema partidário e eleitoral não dá incentivos para que haja uma frente ampla, pelo contrário: o natural é que diferentes siglas lancem seus projetos ao menos no primeiro turno.

O consenso em Brasília e na academia é que os cenários para 2022 não podem ser cravados agora, pois tudo depende de como o governo vai se comportar e de como as crises econômica e sanitária irão afetar a popularidade do presidente.

A força ou fraqueza eleitoral de Bolsonaro, o tamanho da oposição e o nível de entendimento quanto a ele representar uma ameaça à democracia são fatores que poderão unir os partidos para derrotá-lo ou, ao contrário, fazê-los seguir fragmentados.

Parlamentares mais otimistas veem, sim, possibilidade de frente ampla em 2022, seja num segundo turno, seja numa redução de candidaturas no primeiro. (FP)

 


Notícias relevantes: