Política

Aras diz que abriu oito apurações sobre Bolsonaro

PANDEMIA O principal motivo é a investigação das ações do presidente da República em relação ao combate à covid-19


DIVULGAÇÃO
Aras citou os pedidos que têm chegado à Procuradoria-Geral da República contra o presidente Jair Bolsonaro
Crédito: DIVULGAÇÃO

O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) no qual informou já ter aberto oito apurações preliminares para analisar a conduta do presidente Jair Bolsonaro na pandemia do novo coronavírus.

O presidente não é formalmente investigado. A PGR abre as apurações preliminares para avaliar os elementos apresentados em ações. Augusto Aras enviou o documento após um advogado ter acionado o STF, acusando Bolsonaro de genocídio.

Na ação, o advogado também afirmou que a PGR tem deixado de buscar a responsabilização de Bolsonaro em diversas condutas supostamente omissivas e delituosas de conhecimento público, as quais teriam colocado em risco deliberado a vida dos cidadãos brasileiros.

"Este órgão ministerial tem sido e continua sendo zeloso na apuração de supostos ilícitos atribuídos ao chefe do Poder Executivo federal, noticiados por meio de petições que cotidianamente dão entrada no sistema da Procuradoria-Geral da República", afirmou Aras ao Supremo.

Segundo o procurador-geral, são avaliados "fatos manifestamente atípicos". Desde o início da pandemia, a Organização Mundial de Saúde (OMS), autoridades sanitárias e especialistas recomendam como formas de evitar a disseminação ainda maior do coronavírus o uso de máscara; a higienização das mãos; o distanciamento social e evitar aglomerações, por exemplo.

A manifestação de Augusto Aras é dirigida ao ministro Marco Aurélio Mello, decano do STF. No documento, o procurador-geral afirmou que, ao todo, são oito procedimentos abertos, mas não detalhou quais são.

Ao STF, Augusto Aras explicou que as apurações preliminares são voltadas "para a averiguação de irregularidades atribuídas ao presidente da República e concernentes ao enfrentamento da epidemia causada pelo coronavírus".

O procurador-geral citou especificamente, no entanto, a análise sobre a conduta de Bolsonaro na crise sanitária no Amazonas, onde o aumento no número de casos de covid-19 levou os hospitais a ficarem superlotados e sem oxigênio suficiente para os pacientes.

A crise no Amazonas também resultou na abertura de um inquérito para investigar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que prestou depoimento nesta quinta (4).

Nesse caso, a apuração preliminar, segundo Aras, visa "apurar a prática dos crimes de prevaricação e de perigo para a vida ou saúde de outrem em razão de comportamentos relacionados à gestão da crise sanitária no Estado do Amazonas". Este procedimento surgiu a partir de um pedido de investigação do PCdoB.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deve comparecer ao plenário da casa pelas próximas semanas para dar explicações sobre a condução da pandemia no Brasil. O chefe da pasta foi convidado ontem durante primeira sessão na casa para comparecer antes da instalação da CPI, que vai investigar os encaminhamentos do governo federal contra a covid-19.


Notícias relevantes: