Política

STF mantém decisão pela prisão do deputado Daniel Silveira (PSL)

Prisão foi determinada depois que Silveira, investigado por participação em atos antidemocráticos divulgou vídeo com discurso de ódio


DIVULGAÇÃO
Daniel Silveira publicou vídeo com diversas críticas e acusações ao STF
Crédito: DIVULGAÇÃO

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (17), por unanimidade, manter a decisão do ministro Alexandre de Moraes que determinou a prisão em flagrante e por crime inafiançável do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ).

A prisão foi determinada na noite desta terça (16), depois que Silveira, investigado por participação em atos antidemocráticos, divulgou um vídeo com discurso de ódio no qual faz apologia do AI-5 e ataca ministros do Supremo e no qual faz apologia do AI-5, instrumento de repressão mais duro da ditadura militar.

No julgamento, os ministros destacaram a legalidade da prisão em flagrante e o caráter de crime inafiançável. Mesmo com a decisão do STF, a prisão de um deputado federal precisa passar pelo crivo da Câmara. O presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), já foi notificado.

A assessoria do deputado afirma ser "evidente o teor político da prisão" e que os fatos que a embasaram "sequer configuram crime, uma vez que acobertados pela inviolabilidade de palavras, opiniões e votos que a Constituição garante aos deputados federais e senadores".

Silveira foi detido no fim da noite de terça, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, e passou a madrugada preso na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro, a Zona Portuária da cidade.

Na decisão, Moraes afirma que houve reiteração de conduta "visando lesar ou expor a perigo de lesão a independência dos poderes instituídos e ao Estado Democrático de Direito".

Ainda segundo Moraes, as condutas de Daniel Silveira, além de representarem "crimes contra a honra do Poder Judiciário e dos ministros do Supremo Tribunal Federal", são previstas como crimes na Lei de Segurança Nacional.

"As manifestações de Daniel Silveira revelam-se gravíssimas, não somente do ponto de vista pessoal, mas principalmente do ponto de vista institucional e do estado democrático de direito", afirmou o ministro.

(Das agências)

 


Notícias relevantes: