Política

Gestão Doria acusa deputados do MBL de invasão a hospitais


Divulgação----
Kim Kataguiri e Arthur causaram movimentação em hospital de SP
Crédito: Divulgação----

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e os deputados estaduais Ricardo Mellão (Novo-SP) e Arthur do Val (Patriotas), o Mamãe Falei, estiveram no Hospital Geral de Guarulhos, na Grande São Paulo, na tarde desta sexta-feira (16).

A presença dos parlamentares na unidade foi tratada pela gestão de João Doria (PSDB) como uma "invasão que colocou em risco pacientes e profissionais da saúde".

Os parlamentares chegaram ao hospital, administrado pela Secretaria Estadual de Saúde, por volta das 15h51 de sexta. Toda a movimentação da comitiva foi registrada pelas câmeras de segurança da unidade hospitalar e publicada nas redes sociais do governo paulista.

As imagens mostram os parlamentares de máscara no rosto acompanhados de seus assessores, que gravaram a presença deles já no interior da unidade.

De acordo com o comunicado do governo de São Paulo, os parlamentares "invadiram o pronto-socorro e tentaram acessar à força a área restrita do hospital para atendimento a casos graves de covid-19".

A comitiva formada por Kataguiri, Mellão e Artur do Val, segundo o hospital, também promoveu aglomerações e causou riscos à equipe e aos pacientes numa área onde só é permitida a circulação de profissionais da área da saúde.

O governo Doria criticou a postura dos parlamentares porque ela "destoa do que é esperado de autoridades públicas, que deveriam ser exemplo e zelar pela segurança da população, principalmente em tempos de crise sanitária global".

Em resposta aos questionamentos, a Secretaria Estadual de Saúde disse que a visita dos parlamentares não foi agendada e que a direção do hospital optou por não registrar um boletim de ocorrência na polícia sobre o fato porque "priorizou o diálogo para resolver a situação".

O Hospital Geral de Guarulhos contava, até esta sexta, com 60 pacientes internados em estado grave por causa das complicações da covid-19 - sendo 27 em enfermaria e 33 na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). "Trata-se, portanto, de um ato de desrespeito não apenas com os profissionais da saúde que ali atuam, mas também com as vítimas da doença e seus familiares", diz a nota do governo paulista.

O deputado estadual Arthur do Val, que conduziu a fiscalização acompanhado de Kataguiri (DEM-SP) e Mellão (Novo-SP), além do vereador de Guarulhos Lucas Sanches (PP-SP), nega que a visita ao hospital tenha sido tumultuada.

Em esclarecimento compartilhado nas redes sociais, ele afirmou que a comitiva foi bem recebida e que, ao final, fez uma salva de palmas em homenagem ao bom trabalho dos profissionais de saúde desempenhado no local.

O parlamentar ainda nega que a fiscalização tenha adentrado áreas destinadas à UTI e ao tratamento de pacientes com covid-19. "O que a gente quer com isso? Em primeiro lugar, fazer o que o [presidente Jair] Bolsonaro não faz, que é fiscalizar. Em segundo lugar, mostrar como devem ser feitas as fiscalizações. Não é pela porta, não é chegando lá igual vândalo. Não. De maneira calma, sensata, educada, com respeito a esses profissionais", disse em vídeo.


Notícias relevantes: