Política

Geraldo Alckmin avisa aliados que deixará o PSDB em breve


DIvulgação
O DEM deve ser o destino do ex-governador de SP, Geraldo Alckmin
Crédito: DIvulgação

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin anunciou a pessoas próximas que deve sair do PSDB. A gota d'água foi o anúncio de filiação do vice-governador Rodrigo Garcia à legenda, consolidando a candidatura dele ao governo de São Paulo e bloqueando o caminho de Alckmin. Garcia teve o patrocínio de Doria.

Segundo interlocutores de Alckmin, a prioridade dele, até o começo da semana, era disputar as prévias do PSDB para a escolha do candidato do partido ao governo de SP. A conversa entre o ex-governador e Doria, porém, tem sido cada vez mais ríspida.

Doria, que controla a máquina partidária, teria dito ao próprio Alckmin que ele não tem condições de ser candidato ao governo pelo PSDB. Afirmou que não tem como afiançar o apoio nem mesmo para que ele dispute o Senado, já que a vaga, em tese, está garantida para a reeleição de José Serra ao cargo.

Com a escalada das animosidades com Doria, o ex-governador intensificou as conversas com outras agremiações. Alckmin tem convite ou sondagens de vários partidos como o Podemos, o PSD de Gilberto Kassab, o PSB de Márcio França e o DEM de ACM Neto.

O DEM já sinalizou que Alckmin será recebido de portas abertas no partido, assumindo o controle total do diretório em São Paulo e com autonomia para costurar alianças para a sua candidatura ao governo de SP. Ele já conversou com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM-GO), e com o presidente do partido, ACM Neto (DEM-BA) sobre a possibilidade.

Na semana passada, as principais lideranças do DEM se reuniram na casa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). A possibilidade de Alckmin entrar na legenda foi recebida com entusiasmo por todos eles.

Apesar da determinação demonstrada nos diálogos de Alckmin com interlocutores, porém, aliados afirmam que só vão acreditar na saída do ninho tucano depois que ele de fato assinar a desfiliação. O ex-governador é um dos mais antigos militantes do partido, estando entre os dez primeiros filiados.

Há uma aposta também de que, diante da notícia de uma possível debandada, o grupo de Doria e de Rodrigo Garcia tentem segurá-lo, cedendo espaços e até mesmo atropelando Serra para garantir a legenda para Alckmin disputar o Senado.

Na sexta (14), ACM Neto rompeu publicamente com Doria depois da filiação de Rodrigo Garcia, que era do DEM, ao PSDB. Disse, entre outras coisas, que "a postura desagregadora do governador de São Paulo amplia o seu isolamento político, e reforça a percepção do seu despreparo para liderar um projeto nacional".

O presidente nacional do DEM afirmou que não há debandada no partido. "O que existem são problemas localizados no Rio e em São Paulo e que temos alternativas que, se nós julgarmos viáveis, vão mostrar a força do partido", afirmou ACM Neto.

(Das agências)


Notícias relevantes: