Política

Farmacêutica faz pedido à Anvisa


O laboratório chinês Cansino entrou na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com pedido de autorização em caráter emergencial para uma nova vacina contra a covid-19, cuja aplicação exige apenas uma dose. O imunizante, com mesmo nome da farmacêutica, já está sendo aplicado na China.

A informação foi dada pelo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, e confirmada pela Anvisa. Segundo Wanming, o país está "comprometido em continuar e ampliar a parceria de vacinas com o Brasil".

Em nota, a agência confirmou que recebeu a solicitação ontem (18) para a autorização emergencial em caráter experimental. O requerimento foi endereçado pela empresa Belcher Farmacêutica, representando a CanSino Biologics.

A vacina foi produzida em parceria com a Academia de Ciências Médicas Militares da China e utiliza adenovírus humano não replicante. A Anvisa deve se manifestar em até sete dias úteis. Integrantes da agência já se reuniram duas vezes com representantes das empresas.

Em nota, o órgão diz ter iniciado a checagem da documentação enviada. "No momento, está sendo feita a triagem para verificar se todas as informações para a avaliação da agência foram devidamente apresentadas", informa.

A Anvisa diz ainda ter feito duas reuniões com representantes do laboratório antes da formalização do pedido, quando foi discutida a lista de documentos necessários para que a agência possa fazer a análise. Os encontros ocorreram nos dias 8 e 15 de março. Na época, a empresa já havia manifestado interesse em trazer a vacina ao Brasil.

A CanSino afirma que a vacina tem eficácia da vacina superior a 65% contra todos os casos sintomáticos da doença.

(FP)

 


Notícias relevantes: