Política

Em sessão tranquila, Câmara aprova projeto sustentável

JUNDIAÍ A alteração na lei complementar prevê que construtoras apliquem práticas sustentáveis durante a realização de obras


Divulgação
A Câmara de Jundiaí deixou de lado as polêmicas e aprovou todos os projetos pautados na sessão de ontem (25)
Crédito: Divulgação

Em uma das sessões mais tranquilas e com menos polêmicas desde o início do ano, a Câmara de Jundiaí focou na aprovação projetos positivos, como a alteração na lei orgânica municipal para exigir práticas sustentáveis de construção nas obras de contrapartida exigidas pelo poder público. O texto foi aprovado em segundo turno e segue para análise do Executivo municipal.

O projeto foi idealizado em 2018 pelo presidente da Casa, Faouaz Taha (PSDB), e o então vereador Gustavo Martinelli (DEM), hoje vice-prefeito de Jundiaí. "Nosso principal objetivo é a prática de ações sustentáveis pelas empresas responsáveis por obras públicas, que deverão incluir no projeto itens voltados à preservação do meio ambiente, como uso de energia limpa, utilização responsável de água, descarte correto e materiais etc.", destaca Faouaz.

Também de autoria de Faouaz, foi aprovado o projeto que cria o "Dia Municipal da Convivência em Paz" em Jundiaí. A proposta define o dia 16 de maio como a data para lembrar a necessidade de harmonia nas relações, em alusão aos países devastados por conflitos e guerras. A data é determinada pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) desde 2017.

"Recebi essa sugestão da amiga Alexandra Simões e trata-se de uma ação simples, mas que tem um grande significado. A data também remete ao trabalho que a ONU realiza para promover o respeito entre diferentes povos e culturas", comentou o presidente da Câmara de Jundiaí.

Também foi aprovado o projeto que cria o selo "Empresa Amiga da Mulher", de reconhecimento à valorização dos direitos da mulher, principalmente em relação ao mercado de trabalho. Para obtenção do selo, a empresa deve comunicar a Câmara que atende todos os requisitos necessários.

Autora do texto a vereadora Quezia de Lucca (PL) falou sobre a busca da igualdade para funcionários do mesmo sexo. "O objetivo é incentivar as empresas na contratação e valorização da mulher no ambiente de trabalho, buscando a igualdade e um aumento no número de práticas empresariais que se transformem em políticas sociais de valorização e proteção das mulheres e seus direitos", comentou.

Para aqueles que sofrem com a diabetes, os vereadores aprovaram ainda a proposta do vereador Paulo Sergio Martins (PSDB) para garantir que essas pessoas não sejam proibidas nem tenham o acesso dificultado a estabelecimentos portando qualquer tipo de equipamento, material ou insumo destinado ao monitoramento ou tratamento da doença.

Durante sua fala, o parlamentar citou casos em que portadores da patologia precisaram de atendimentos em determinados locais e não possuíam as medicações ou instrumentos necessários por restrições na hora da entrada. "Às vezes, a pessoa precisa entrar com agulhas, injeções e outros em estabelecimentos como bancos, que possuem detectores de metais e afins, por conta da necessidade de portar esse equipamento para evitar crises, agravamentos etc.", explica o vereador.


Notícias relevantes: