Política

Dívida pública recua 2,9%


Diante de um resgate recorde de títulos, o estoque da dívida pública federal registrou um recuo de 2,9% em abril, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira (26). Foi a primeira queda desde julho do ano passado. O total foi de R$ 5,24 trilhão em março para R$ 5,09 trilhão em abril.

O Tesouro informou que revisou o PAF (Plano Anual de Financiamento), no qual prevê uma margem melhor nos indicadores de perfil da dívida em 2021, com redução nos limites de estoque e ampliação do prazo médio de vencimento.

No mês passado, houve um resgate total de R$ 340,6 bilhões. O número é o mais alto já registrado para todos os meses da série histórica do Tesouro, iniciada em novembro de 2006. Desse montante, R$ 284 bilhões dizem respeito ao vencimento de um lote de títulos prefixados.

No mês, houve uma emissão de R$ 173 bilhões, o terceiro maior volume da série. Com isso, abril foi encerrado com um resgate líquido de R$ 167 bilhões.

De acordo com o coordenador-geral de operações da dívida pública, Luis Felipe Vital, o mês de abril foi positivo, com redução na curva de juros. O movimento, segundo ele, foi explicado por boas expectativas em relação ao pacote de estímulos nos Estados Unidos e a percepção de que a alta da inflação no país norte-americano será temporária.

Em abril, a participação de estrangeiros na dívida pública brasileira registrou alta, indo de 9,5% para 9,7%.

No mês passado, a reserva de liquidez do Tesouro para fazer frente aos próximos vencimentos e resgates de títulos ficou em R$ 969 bilhões, 13,4% menor do que o mês anterior.

"Esse caixa é suficiente para mais de nove meses de pagamentos à frente da dívida pública", disse Vital. (FP)


Notícias relevantes: