Política

PIB do primeiro trimestre mostra que indústria é crucial

O Brasil enfrenta muitos obstáculos à competitividade industrial


DIVULGAÇÃO
Cervone diz que a indústria é protagonista na retomada do PIB em 2021
Crédito: DIVULGAÇÃO

Após análise dos dados do PIB do primeiro trimestre, divulgados na terça-feira (1º), o vice-presidente da Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), Rafael Cervone, disse que a recuperação do Brasil dependerá muito do fomento do setor.

"Embora seja animador o crescimento de 1,2% em relação a igual período de 2020 e 1% na comparação com os três meses imediatamente anteriores, poderíamos ter avançado mais no nível de atividade, se a competitividade do segmento fabril fosse maior."

No primeiro trimestre, quando o PIB totalizou R$ 2,048 trilhões, a expansão da indústria foi de 0,7%, à frente dos serviços (0,4%), mas muito abaixo da agropecuária, que cresceu 5,7%.

"Essa grande diferença com o importante setor do agronegócio revela como a indústria tem sido apenada em sua competitividade. Representa 11% do PIB nacional, mas recolhe um terço de todos os impostos", compara Cervone, acentuando que a questão tributária é uma das principais barreiras enfrentadas pelo setor, além da insegurança jurídica, dificuldades de acesso ao crédito e legislação trabalhista antiquada, dentre outros fatores.

COMPETITIVIDADE

Cervone enfatiza que a indústria, exatamente por ter as soluções tecnológicas e de processos essenciais à recuperação da economia mundial, torna-se o novo epicentro da disputa entre as grandes economias. Nesse sentido, citou o diferimento e/ou postergação de impostos para as fábricas no âmbito da União Europeia e a liberação de US$ 300 bilhões para o setor pelo Governo Biden, nos Estados Unidos.

"Aqui no Brasil, continuamos enfrentando muitos obstáculos à competitividade industrial, que é decisiva para que possamos nos recuperar da crise da covid-19 e voltar a crescer em patamares elevados", conclui.(Da Redação)

 


Notícias relevantes: