Política

Corregedor do TCU quer investigação sobre documento

PF deve investigar inclusão de documento com informações distorcidas sobre a covid


Divulgação
Bruno Dantas solicitou investigação da Políocia Federal a documento
Crédito: Divulgação

O ministro-corregedor do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, quer que a Polícia Federal investigue a inclusão de documento com informações distorcidas sobre a covid-19 dentro do sistema do órgão. Os dados foram usados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para sugerir uma supernotificação de óbitos pela pandemia no Brasil.

Dantas assinou ontem despacho com o pedido. A decisão será da presidente do TCU, ministra Ana Arraes. O corregedor também pede o afastamento do auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, que inseriu o documento no sistema do órgão no último domingo, além da instauração de um processo administrativo disciplinar contra o servidor.

No despacho, Dantas afirma que ainda não há elementos para afirmar que tenha "ocorrido tentativa de manipulação da atividade fiscalizatória do TCU em razão de sentimento pessoal", mas considera que a gravidade da situação permite abertura de processo e afastamento do servidor.

O auditor já foi retirado da equipe que fiscaliza ações contra a covid. Ele poderá agora ser afastado do cargo efetivo de auditor por 60 dias, além de ser impedido de entrar no prédio do tribunal e usar os sistemas da corte.

Na segunda-feira, o TCU desmentiu a declaração de Bolsonaro de que o tribunal produziu relatório afirmando que "50% dos óbitos por covid não foram por Covid". O órgão disse em nota que não elaborou o documento.

Segundo o tribunal, o documento era uma análise pessoal de um servidor, que havia sido compartilhada para discussão e não integrava processos oficiais. "Ressalta-se, ainda, que as questões veiculadas no referido documento não encontram respaldo em nenhuma fiscalização do TCU", afirmou o órgão. A reportagem não conseguiu contato com o servidor. (FP)

 


Notícias relevantes: