Política

CPI quebra sigilo de ministros e conselheiros de Jair Bolsonaro


Tomaz Silva/Agência Brasil
Pazuello continua sendo uns dos principais alvos da CPI da Covid
Crédito: Tomaz Silva/Agência Brasil

Os senadores da CPI da Covid aprovaram ontem a quebra de sigilo telefônico e telemático dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e de integrantes do chamado "gabinete paralelo", estrutura de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para temas ligados à pandemia e com defesa de teses negacionistas.

Inicialmente, também estava previsto para essa mesma sessão o depoimento do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que optou por não comparecer após obter um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que vai recorrer da decisão.

"Respeitamos a decisão da ministra Rosa Weber, como temos respeitado todas as outras decisões que aqui foram impetradas contra esta comissão parlamentar de inquérito. Mas, acredito que o governador do Amazonas perde uma oportunidade ímpar de esclarecer ao Brasil, principalmente ao povo amazonense, o que, de fato, aconteceu no Estado do Amazonas", afirmou Aziz.

Durante a sessão da CPI de ontem, os senadores aprovaram requerimentos de convocação, pedidos de informação e quebras de sigilo.

A votação foi tumultuada, com senadores governistas tentando impedir a quebra de sigilos. Marcos Rogério (DEM-RO) afirmou que "perde o Brasil" com o que chamou de medidas extremas e indevidas, provocando um bate-boca. O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), rebateu e disse que o "Brasil perdeu 480 mil vidas".

As quebras de sigilo telefônicos e telemáticos possibilitam que os senadores tenham acesso ao registros de conversas telefônicas, aos conteúdos de mensagens trocadas por aplicativos de mensagens, ao histórico de pesquisas na internet e eventualmente à localização dos personagens que tenham sido registradas em aplicativos de localização, como o Googlemaps, entre outras informações. (FP)


Notícias relevantes: