Política

Brasil ocupará assento no Conselho de Segurança da ONU

Após 11 anos Ministério das Relações Exteriores diz que o país buscará contribuições para a defesa da paz e o desenvolvimento


Divugação
Na tarde de ontem (11), em Nova Iorque (Estados Unidos), aconteceu a 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas
Crédito: Divugação

O Brasil ocupará um assento não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) no biênio 2022-2023. Essa será a 11ª vez que o país integrará o mais importante órgão responsável pela segurança coletiva internacional. A última vez havia sido em 2010-2011.

A decisão foi tomada em eleições ocorridas na tarde de ontem, em Nova York (Estados Unidos), na 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas. O Brasil recebeu 181 votos.

Segundo nota do Ministério das Relações Exteriores, o Brasil "buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias, dentre outros princípios inscritos na Constituição Federal de 1988 e na Carta das Nações Unidas, no período em que estiver no conselho".

A nota ainda diz que o país pretende fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento. O governo brasileiro cumprimentou Albânia, Emirados Árabes Unidos, Gabão e Gana, também foram eleitos ontem.

Para garantir a representação geográfica, os assentos são atribuídos a grupos regionais. Mas, mesmo que os candidatos estejam concorrendo sem oposição em seu grupo, eles ainda precisam ganhar o apoio de mais de dois terços da Assembleia Geral da ONU.

Gana recebeu 185 votos, Gabão, 183 votos, Emirados Árabes, 179 votos, Albânia, 175 votos e Brasil, 181 votos. O Brasil volta à cadeira após dez anos longe do conselho. Será o 11º mandato do país, o que o torna um dos mais frequentes ocupantes das cadeiras rotativas, ao lado do Japão.

O Conselho de Segurança é o único órgão da ONU que pode tomar decisões juridicamente vinculativas, como impor sanções e autorizar o uso da força. Tem cinco membros permanentes com poder de veto: Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China e Rússia.

Nota

"O Brasil ocupará, no biênio 2022-2023, assento não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU). Será a 11ª vez que o País integrará o mais importante órgão responsável pela segurança coletiva internacional. Nas eleições ocorridas hoje, em Nova York, durante a 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o Brasil recebeu 181 votos. O resultado reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais. No Conselho de Segurança, o Brasil buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias, dentre outros princípios inscritos na Constituição Federal de 1988 e na Carta das Nações Unidas.

O País pretende, ainda, fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento. O Brasil estará em posição privilegiada para atestar seu compromisso com a reforma do CSNU, para resguardar a legitimidade da atuação das Nações Unidas diante dos múltiplos e complexos desafios enfrentados pela comunidade internacional. O governo brasileiro aproveita a oportunidade para cumprimentar Albânia, Emirados Árabes Unidos, Gabão e Gana, que também foram eleitos na ocasião."


Notícias relevantes: