Política

Movimento de Sérgio Reis pode prejudicar demandas dos caminhoneiros, diz líder da categoria

Landin, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores, rechaça qualquer representatividade do sertanejo dentro da categoria


Divulgação
Sérgio Reis convoca manifestação para "salvar o país"
Crédito: Divulgação

Wallace Landin, presidente da Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores), que tem o apelido de Chorão, disse que o movimento do cantor Sérgio Reis pode atrapalhar os caminhoneiros.

O ex-deputado federal relacionou caminhoneiros com uma pauta que pede destituição de ministros do Supremo. Landin rechaça qualquer representatividade do sertanejo dentro da categoria.

Segundo o presidente da Abrava, uma das pautas do setor é o julgamento de três ações que questionam a constitucionalidade da tabela do frete.

"Nós precisamos destravar essas três ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) que estão no Supremo.

Estamos pedindo para que o STF as julgue. Isso (as manifestações) pode nos prejudicar", afirmou o caminhoneiro à coluna Painel, da Folha de S.Paulo. Segundo Chorão, a Abrava tem cerca de 35 mil associados.

Sérgio Reis fez uma postagem nas redes sociais na qual afirmou que está organizando uma manifestação com o movimento dos caminhoneiros e dos agricultores a favor do presidente Jair Bolsonaro nos dias que antecedem o 7 de setembro.

O protesto, segundo caminhoneiros, também é favorável à destituição dos ministros do STF e ao voto impresso.

Pela manhã, Chorão divulgou um vídeo no qual critica duramente a posição de Reis e afirma que os caminhoneiros não estão envolvidos nos atos e que ele não se manifesta politicamente. Ainda afirmou que o cantor não os representa e nunca lutou pela pauta do setor quando era deputado federal.

"Ele tem que falar em nome dos artistas que ele representa, que é o segmento dele", disse o caminhoneiro à reportagem.


Notícias relevantes: