Política

Doria diz que não permitirá ato da oposição no 7 de Setembro, já reservado a grupo pró-Bolsonaro

Segundo ele, por razões de segurança, só será permitido o ato favorável ao presidente


Divulgação
Secretaria da Segurança Pública do Estado vetou a realização no 7 de Setembro de atos contra Jair Bolsonaro na capital paulista
Crédito: Divulgação

O governador João Doria (PSDB) disse nesta quinta-feira (26) que a Secretaria da Segurança Pública do Estado vetou a realização no 7 de Setembro de atos contra Jair Bolsonaro na capital paulista. Segundo ele, por razões de segurança, só será permitido o ato favorável ao presidente.

Com isso, a manifestação contrária, prevista para ocorrer no vale do Anhangabaú, fica impedida de ser realizada pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro, fórum de partidos, movimentos sociais e centrais sindicais que fazem oposição ao governo e realizou desde março quatro mobilizações.

Bolsonaristas farão ato no dia 7 na avenida Paulista, com a presença anunciada do presidente e de apoiadores. A via também era o local para onde estava previsto inicialmente o protesto da oposição, mas a Polícia Militar decidiu que, pela alternância no uso da avenida, a vez é dos apoiadores do governo.

Segundo Doria, a SSP (Secretaria da Segurança Pública do Estado) já decidiu por uma resposta negativa à marcha da oposição. Líderes da Campanha Fora Bolsonaro dizem que a PM já foi notificada e que ainda não receberam uma resposta formal.

"A Secretaria de Segurança Pública tomou a decisão, no Conselho de Segurança Pública, de administrar as duas manifestações, respeitando ambas. As manifestações são democráticas [...]. Só não há conveniência de que grupos antagonistas se manifestem no mesmo dia, ainda que em locais diferentes", disse o governador.

O tucano, que também faz oposição a Bolsonaro, argumentou que a realização de manifestações simultâneas "põe em risco a segurança dos manifestantes" e "divide o esforço de segurança pública", já que o aparato da PM teria que ser mobilizado na ocasião para acompanhar os dois atos.

Doria afirmou que a SSP vetará a utilização de qualquer área, "não só na capital, mas também no estado de São Paulo", para manifestações contrárias a Bolsonaro no dia 7.

Ele voltou a falar que a data para atos críticos ao presidente na avenida Paulista é 12 de setembro. Para esse dia está marcado um protesto capitaneado por MBL (Movimento Brasil Livre), VPR (Vem Pra Rua) e líderes de partidos como Novo e PSL.

A iniciativa, ligada a setores da direita, também expressará apoio a uma terceira via para as eleições de 2022 --Doria busca se colocar como o presidenciável do PSDB e ocupar esse espaço.

A informação de que a SSP não daria aval à realização do ato contra Bolsonaro no Dia da Independência foi repassada informalmente nesta quarta-feira (26) a porta-vozes da Campanha Fora Bolsonaro. No mesmo dia, o grupo anunciou que desistiria de disputar a Paulista e migraria para o Anhangabaú.


Notícias relevantes: