Política

Municípios paulistas sofrem com a falta de vacinas

Em Jundiaí, para encerrar a vacinação serão necessárias 20.238 doses


Divulgação
Em Jundiaí, para encerrar a vacinação do público adulto, é preciso receber 20 mil doses
Crédito: Divulgação

De acordo com um levantamento realizado junto aos municípios paulistas pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de São Paulo (COSEMS-SP) acerca falta de vacinas para população de 18 a 59 anos há um déficit de aproximadamente dois milhões de doses para atender toda a população com a primeira dose. Em Jundiaí, para encerrar a vacinação do público adulto, o município necessita de 20.238 doses de vacina para a primeira aplicação.

O déficit de vacinas para a primeira dose/D1 foi ocasionado principalmente pelas estimativas da população por faixa etária do IBGE que, além de desatualizadas, não consideram a mobilidade populacional que ocorre entre estados e municípios, por exemplo: estudantes, trabalhadores de obras, trabalhadores de colheitas, ingresso de profissionais de saúde, mudanças de endereço (o que aconteceu em número expressivo durante a pandemia)

Esta situação foi relatada inúmeras e em incansáveis oportunidades, há vários meses, pelos municípios e pelo COSEMS/SP, por meio de ofícios à SES, como também nos espaços oficiais de pactuação do SUS.
O conselho esclarece que os quantitativos enviados pelo Ministério da Saúde para os Estados, e distribuídos pela SES têm sido insuficientes e não ocorrem em tempo oportuno, ocasionando iniquidades na distribuição de vacinas entre os municípios.

"Desde julho, Jundiaí vinha realizando repescagem com as doses remanescentes das aplicações, sem receber quantitativo adicional. No entanto, com a redução no número de faltas registrados na última semana, não será possível à cidade realizar nova ação de repescagem após a oferta do dia 26 de agosto. Para a cidade, bastam 20.238 doses para o encerramento do público adulto acima de 18 anos", comenta o gestor da UGPS, Tiago Texera

Outras doses

Cabe ainda dizer que o COSEMS/SP concorda com a inclusão da dose de reforço para população acima de 70 anos e para pessoas com imunossupressão, mas expressa preocupação com a decisão do estado de São Paulo, de vacinar pessoas acima de 60 anos, descumprindo as recomendações do Ministério da Saúde de vacinar acima de 70 anos.

O COSEMS/SP manifesta apoio às recomendações dos especialistas sobre a necessidade de completar o esquema vacinal do maior número possível de pessoas para que se consiga atingir a imunidade comunitária e com isso reduzir drasticamente a transmissão do coronavírus, o que impõe reforçar a necessidade de o estado fornecer o quantitativo de cerca de dois milhões de vacinas (ou mais) para a primeira dose e o que falta para a segunda dose de toda população acima de 18 anos ainda não vacinada.


Notícias relevantes: