Política

Falta de interlocutores dificulta retomada de relações com o STF


Marcelo Camargo/Agência Brasil
Bolsonaro cessou os ataques, mas comunicação segue comprometida
Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Apesar da trégua do presidente Jair Bolsonaro nos ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal), a ausência de integrantes do governo com trânsito na corte tem dificultado a retomada da relação entre os Poderes.

O Executivo perdeu os três principais interlocutores que tinham relação próxima com as diferentes alas do Supremo. No início do governo, os responsáveis pelas pastas com atribuição de dialogar com o tribunal eram Sergio Moro, no Ministério da Justiça, e André Mendonça, na AGU (Advocacia-Geral da União).

Apesar de não serem bem vistos por parte do STF, eles eram respeitados e tinham proximidade com magistrados. Além disso, havia o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, que já foi assessor da presidência do tribunal e é próximo de diferentes ministros.

Os três deixaram a Esplanada e foram substituídos por nomes sem trânsito no Judiciário. O chefe da Justiça, Anderson Torres, e da AGU, Bruno Bianco, têm se esforçado para criar canais de diálogo na corte, mas não têm histórico de relação com ministros e são vistos com receio no tribunal.

Antes de Bianco, estava no cargo Mendonça, que, apesar de enfrentar resistências no Senado, tem contado com a ajuda de parte dos ministro para ter o nome aprovado a uma vaga no STF, o que expõe seu nível de interlocução dentro da corte.

O apoio tem partido principalmente da ala a favor da Lava Jato, liderada pelos ministros Luiz Fux e Luís Roberto Barroso, mas não só. Ele também conta com a ajuda do ministro Dias Toffoli, de quem foi assessor na AGU e que pertence à outra ala do tribunal, contrária às operações iniciadas na Justiça Federal em Curitiba.

Além disso, em abril de 2020, quando Mendonça foi deslocado para o Ministério da Justiça logo após o pedido de demissão de Moro, o então procurador da Fazenda Nacional, José Levi, assumiu a AGU.

 (FP)


Notícias relevantes: