Política

CPI da Covid entrega relatório final e não é poupada das críticas


Divulgação
Calheiros fez a leitura do relatório após tirar parte das acusações
Crédito: Divulgação

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, pede o indiciamento de 66 pessoas e de duas empresa, por um total de 23 crimes, em seu relatório apresentado nesta quarta-feira (20).

Após mal-estar entre os senadores por vazamento de minutas do texto à imprensa, o senador recuou e mudou alguns pontos do relatório. Ele retirou a recomendação de indiciar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelos crimes de genocídio contra a população indígena e homicídio.

Com isso, a proposta de indiciamento de Bolsonaro agora conta com 9 tipificações de crimes -anteriormente eram 11. Renan segue apontando contra o presidente os crimes de epidemia com resultado; infração de medida sanitária preventiva; charlatanismo; incitação ao crime; falsificação de documento particular; emprego irregular de verbas públicas; prevaricação; crimes contra a humanidade, nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, do Tratado de Roma; e crime de responsabilidade, previsto na lei 1.079/1950, por violação de direito social incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou nesta quarta-feira (20) não haver "uma vírgula" no parecer do senador Renan Calheiros (MDB-AL) que o comprometa, mas ameaçou processar o relator e os senadores que votarem a favor do texto.

Em seu relatório, Renan pediu o indiciamento de Barros. "Estou tranquilo, adorei o relatório, não tem uma vírgula do relatório que me comprometa. Zero", disse Barros. "Isso é um circo. Vou repetir, é um circo. E um circo não vai influenciar as decisões do governo."

Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que "não há elementos jurídicos que sustentem a criminalização do Presidente da República". Bezerra afirmou que não há comprovação do recebimento de vantagens indevidas, que não houve omissão na compra de vacinas e que as medidas farmacológicas para o enfrentamento da pandemia foram devidamente adotadas.


Notícias relevantes: