Política

Governo Bolsonaro veta uso de linguagem neutra em projetos financiados pela Rouanet

O secretário de Cultura, Mario Frias, disse que a linguagem neutra "é mera destruição ideológica"


Roberto Castro/ Mtur
Brasilia /DF 19/08/2020 - Secretário-executivo do Ministério do Turismo, Daniel Nepomuceno, e o secretário Especial da Cultura, Mário Frias durante cerimônia onde liberaram R$ 1,2 milhão para ações culturais da Biblioteca Demonstrativa de Brasília . Foto: Roberto Castro/ Mtur
Crédito: Roberto Castro/ Mtur

O secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciuncula, publicou uma portaria no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira (28), vetando o uso e a apologia da chamada "linguagem neutra" em projetos financiados pela Lei Rouanet.

Os substantivos, adjetivos e pronomes neutros são usados para representar pessoas não binárias, ou seja, que não se identificam com o gênero masculino ou feminino.

"Alinhado com o secretário @mfriasoficial [Mario Frias, secretário de Cultura do governo Bolsonaro], baixei uma portaria proibindo o uso da linguagem neutra nos projetos financiados pela Lei Rouanet", escreveu em suas redes sociais.

"Entendemos que a linguagem neutra (que não é linguagem) está destruindo os materiais linguísticos necessários para a manutenção e difusão da cultura. E que submeter a língua a um processo artificial de modificação ideologia é um crime cultural de primeira grandeza", seguiu o subsecretário da Cultura.

O secretário de Cultura, Mario Frias, disse que a linguagem neutra "é mera destruição ideológica" da língua e afirmou que Porciuncula, seu braço direito, baixou a portaria com sua permissão.

"O objetivo é garantir a ampla fruição dos bens culturais, não permitindo que uma imposição de cima para baixo inviabilize ou dificulte o acesso à cultura", publicou.


Notícias relevantes: