Política

Após vexame, PSDB contrata empresa para testar novo app

SOLUÇÕES Tucanos resolveram ontem (23) contratar nova empresa para que comece o teste para a votação para as prévias


DIVULGAÇÃO
Em coletiva, o governador João Doria explica o novo formato de votação (prefeito Luiz Fernando Machado - à direita - participa do evento)
Crédito: DIVULGAÇÃO

Após falhas registradas na votação das prévias presidenciais no último domingo (21), o PSDB anunciou a contratação de uma empresa privada que terá o aplicativo testado pelas campanhas dos governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS) para eventualmente substituir a ferramenta da fundação responsável pelo app original.

As campanhas de Doria, Leite e do ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio (AM) deram aval para testarem o novo aplicativo D.Vota, da RelataSoft, empresa de tecnologia eleitoral que faz parte do projeto Eleições do Futuro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O anúncio foi feito nesta terça-feira (23) na sede do partido em Brasília.

No último domingo, o PSDB fez uma votação híbrida. Num evento em Brasília, feito para anunciar o vencedor, mas que terminou de forma melancólica sem conclusão, puderam votar por meio de urnas eletrônicas os prefeitos e vices, deputados estaduais, deputados federais, senadores, governadores e vices e os ex-presidentes do partido.

Os filiados sem mandato e os vereadores deveriam votar pelo aplicativo, que não funcionou. A votação, que seria das 7h às 15h, foi ampliada para 18h e acabou suspensa. Outros tucanos do alto clero que não viajaram a Brasília e preferiram votar pela ferramenta on-line tampouco conseguiram votar.

Nesta terça-feira (23), a RelataSoft afirmou ter condições técnicas de iniciar prévias já na quarta pela manhã, mas indicou que a decisão depende do PSDB.

A ferramenta da Faurgs (Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul), contratada para desenvolver o app original que travou no domingo, ainda não foi totalmente descartada. Após reunião encerrada na tarde desta terça, o partido divulgou uma nota afirmando ter sido "vítima de um problema técnico nas prévias" e disse que buscava "meio para retomá-las".

"Entre as possibilidades, já há empresa que será submetida ao teste de estresse por todas as candidaturas. Mais alternativas estão em análise", disse.

Segundo o comunicado, a Faurgs não apresentou diagnóstico sobre o que provocou as falhas. "O fundamental é garantir o voto dos filiados já cadastrados. Os votos já registrados na urna e em aplicativos estão válidos e serão computados."

Se as campanhas considerarem que a fundação tem condições tecnológicas para dar continuidade à votação, a RelataSoft poderia fazer a validação do processo, segundo o presidente da empresa, Leonardo Cunha.

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, havia dado até meio-dia desta terça para que a Faurgs se posicionasse sobre a possibilidade de sanar as falhas e concluir o processo de votação. A reunião com a Faurgs, virtual, atrasou e começou depois desse prazo.

Ao final da reunião técnica, o presidente da empresa, com aval do PSDB, disse que havia sido fechado um contrato em fases com o partido. Em até oito horas, a RelataSoft afirmou que as três chapas poderão iniciar os testes, que serão feitos em uma janela de seis horas.

Se o D.Vota, da RelataSoft, passar nos testes realizados pelas três campanhas, a empresa poderá iniciar o plano de votação, que abrange os cerca de 40 mil filiados que não conseguiram votar pelo app da Faurgs no último domingo.


Notícias relevantes: