Política

Guedes diz que inflação diminui ritmo de crescimento do Brasil


DIVULGAÇÃO
Guedes também confirmou o auxílio no caso de uma segunda onda
Crédito: DIVULGAÇÃO

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quinta-feira (2) que o Brasil está condenado a crescer, mas afirmou que o esforço para combater a inflação vai diminuir o ritmo de expansão.

Ele afirmou que os preços têm subido por fatores como a desorganização das cadeias produtivas globais e sugeriu que o Banco Central independente vai controlar os preços por meio dos juros.

"O Brasil vai crescer. Vai crescer um pouco menos, porque vamos estar combatendo a inflação", afirmou em evento sobre concessões de aeroportos. "O Brasil está condenado a crescer, a pergunta é se vai ter um pouco mais ou menos de inflação. E isso vai depender justamente de como é que a gente vai combater essa inflação", disse.

"Decretamos um BC independente, a primeira vez que vamos ter um BC independente na eleição. Isso é uma demonstração de compromisso com o avanço institucional do país", disse, afirmando também que em governos anteriores o patamar dos juros foi falsificado antes das eleições.

"[A inflação] vai ser dominada, vai ser controlada, vai baixar. E o Brasil vai voltar a crescer", continuou, dizendo que a conversa que dita o contrário é "de maluco".

A economia brasileira recuou 0,1% no terceiro trimestre de 2021, frente aos três meses imediatamente anteriores, mostram dados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados nesta quinta-feira (2º) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse foi o segundo trimestre seguido de retração na atividade.

Economistas têm baixado a previsão para o PIB em 2021 e 2022, mas ainda se dividem sobre a possibilidade de uma retração no ano que vem. Segundo o levantamento semanal Focus, do Banco Central, os economistas esperam que o PIB cresça 4,78% este ano e 0,58% no próximo, de taxas de 4,80% e 0,70% esperadas antes.

Para Guedes, o fato de a Bolsa ter subido mesmo após a notícia da retração aponta que há aposta no crescimento. "Hoje é um exemplo interessante. 'Entramos em recessão técnica'. O PIB caiu 0,1% no trimestre, e a Bolsa subiu 3%. Se alguém tivesse levando a sério que o PIB vai cair, a Bolsa não estava subindo", disse.


Notícias relevantes: